Entre um dia e outro…

Como o Senhor descreve o inicio do Bairro Pedregal, juntamente com a Igreja Santo Antônio do Pedregal.
Quando o senhor Vilson, chegou no Bairro Pedregal que estava em processo de implantação, na década de 1980, tinha na localidade por volta de oito barracos, a área estava em processo de desocupação, ”Reintegração de posse pro Estado”, Nesse processo de reintegração de posse que já tramitava no meio publico, os moradores tinham pouco tempo e com o esforço de todos, houve, ajuda através de conhecimento do Vilson, e dedicação de todos os moradores da época, o senhor Vilson buscou ajuda junto a prefeitura, desta forma o setor de habitação, chegou a um consenso, para deixar os moradores no bairro pedregal, já existia um projeto para a construção da rodoviária e os moradores do quarta feira, (bairro alvorada), viriam para o bairro pedregal, o Senhor Vilson, fez um barraco de lona para morar, no futuro, bairro pedregal, sendo que houve por parte do setor de habitação da prefeitura, todo o processo de implantação do bairro pedregal, os moradores foram avisados para não fazerem investimentos de inicio, aguardar todo o processo de implantação do bairro, e logo em seguida, a prefeitura veio através dos setores de infraestrutura e demarcação de área, para delimitar os locais onde os moradores iriam se localizar, a implantação da igreja Santo Antônio do Pedregal, neste primeiro momento já houve uma primeira missa, juntamente com a implantação do Bairro Pedregal, a primeira missa teve “quarenta pessoas”, presentes, o Padre havia vindo da Cidade de Diamantino, “duzentos quilômetros de Cuiabá”, era uma comunidade em processo de implantação e sem recursos, o Padre trouxe ajuda da igreja são judas, no início dos trabalhos, os quais auxiliaram no processo de implantação com recursos e ajudas na forma de conduzir os trabalhos na Igreja Santo Antônio do Pedregal, nesta época não havia igreja ainda, as missas eram em frente a casa do Senhor Vilson, outras comunidades que ajudaram na condução dos trabalhos, foram a comunidade do Araes, onde trouxeram uma caixa de som e um aparelho de som que funcionava com doze pilhas grandes, através destes meios de comunicação, foram feitos os primeiros convites e missas na comunidade. Veio também o pessoal do Bairro Quarta Feira (Bairro Alvorada), para auxiliar nos trabalhos da igreja, nesta época o grupo de jovens não tinha nome, o senhor Vilson, trabalhava na UFMT, a Igreja, ainda continuava na casa do Senhor Vilson, com este aparelho de som fazia se a divulgação nos bairros da região, Araes, era um exemplo, a comunidade sem recursos, não tinham nenhuma forma de controle, sendo que os recursos eram mínimos, e os custos altos, principalmente com pilhar grande, em uma reunião de Bairro, houve uma doação de uma madeireira da região, e, receberam em doação a madeira para construção da igreja de madeira, sendo que a primeira Igreja era de lona preta, sem condições, gerais não tinham agua, nesta mesma época com toda essa luta, houve uma invasão e a construção da igreja que seria de tábua, teve que ser acelerada, o em função da invasão, O Padre, Juntamente com o Senhor Vilson escolheram o nome para a igreja. A festa do Padroeiro já foi feito no segundo ano da implantação da igreja Santo Antônio do Pedregal. Este nome foi escolhido pelo Sr. Vilson, sendo que não existia pro perto Padroeiro Santo Antônio. Com a escolha do padroeiro e o nome da igreja, que seria Santo Antônio do Pedregal, a primeira e a segunda, festa foram feitas no Centro Comunitário, a terceira festa já foi feita na igreja, sendo que as primeiras festas eram de apenas um dia. Os títulos eram de presidente, o senhor Vilson acreditava que o nome de presidente não estava de acordo com a humildade que temos que ter na igreja. O Senhor Vilson expôs a mudança deste titulo de presidente para coordenador. E foi aceito pela maioria dos que estavam presentes na assembleia, houve uma mudança em todas as igrejas, sendo que ficou coordenador. O controle era feito de uma forma simples, sendo feitas as anotações em papeis, o gasto maior era com pilhas grandes, para o aparelho de som, que usavam doze pilhas. Na sequencia veio, uma outra pessoa para ser coordenador dos trabalhos, e desta forma com o novo coordenador, houve a mudança de um dia para quatro dias. Conforme era em sua localidade, onde o mesmo morava, As festas eram feitas em finais de semanas, quinta feira, sexta feira e sábado. Dona Maria disse que houve uma mudança de 1985 para a trezena que seriam treze dias de festa na comunidade, a dezena, o santo visitava dez casas, na trezena, são treze dias de visitação nas casas da comunidade, dona Maria disse que e feito uma visita, as casas onde o santo vai permanecer o dia e a noite, e feito um ritual, falando do santo padroeiro, conta se a historia do santo, e, falado à palavra, as orações, as rezas, e o terço, onde e feito o histórico da vida de Santo Antônio, Conta se sua vida de humildade, apesar de ser de família nobre, todos os fieis, fazem este ritual de uma casa para outra e quando termina o ritual de todas as treze casas vão para a igreja, este ritual e seguido por todas as pessoas do Bairro Pedregal, e são de trezentas e quatrocentos pessoas, quando o santo retorna para a igreja, e feito a missa e no domingo um almoço, e na noite do domingo e feito o encerramento da festa de Santo Antônio do Pedregal. As festas da Igreja sempre foram culpadas, pelos problema de bebidas, sendo que as pessoas bebiam em outros lugares e traziam problemas para a festa da Igreja, e uma certa época foi proibido a venda de bebidas alcoólicas, depois da proibição o faturamento caiu, e os problemas continuaram, e em seguida O Padre liberou a venda de bebidas novamente, para tentar resolver o problema. Senhor Vilson foi convidado a assumir a coordenação novamente da Igreja, mas o Senhor Vilson disse que assumiria para fazer a igreja de Material, o Bispo veio na casa de Senhor Vilson, e o Bispo solicitou uma verba da Alemanha para a construção da Igreja Santo Antônio do Pedregal, sendo que seria de Mateiral, após, noventa dias, o Bispo, veio novamente, na casa, do Senhor Vilson, e disse que teria vindo verba somente para construção da igreja e não para mão de obra, o Bispo disse que se não fosse feito a Igreja de Santo Antônio do Pedregal, naquele local, no Pedregal, o recurso iria para uma Igreja no Bairro Santa Rosa, o Senhor Vilson disse que se verba teria vindo para a Igreja de Santo Antônio do Pedregal, seria construída a Igreja no Bairro Pedregal, ficou acertado e no dia marcado tinham mais ou menos quarenta pessoas o material começou a chegar um caminhão de areia, vinte sacos de cimento, e começaram a fizer a edificação, quando o Senhor Vilson, entregou sua gestão como coordenador, Todas as partes de construção edificada, faltando, apenas à, parte de acabamento. A imagem de Santo Antônio veio de um terreiro no Bairro Araes, foi doado para a igreja, segundo o doador a imagem estava danificada, e precisava de uma restauração, o Senhor Vilson conversou com uma restauradora que trabalhava na UFMT, a restauradora disse que fazia o serviço mais precisava do material e desta forma o Senhor Vilson conseguiu o material, o Senhor Vilson, foi buscar a imagem juntamente com o seu cunhado, e trouxeram a imagem de Santo Antônio, que precisava ser restaurada, a imagem, pesava mais ou menos sessenta quilos, trouxeram a imagem na parte da noite, e posteriormente levaram a imagem para a restauradora da UFMT em sua casa; a restauradora morava no bairro lixeira, próximo a subprefeitura, “nos dias de hoje” alguns dias depois a restauradora avisou o Senhor Vilson e ele foi buscar a imagem, do Bairro Lixeira, e foi feita a consagração na Igreja Santo Antônio do Pedregal. Esta imagem fica na parte superior em frete à Igreja Santo Antônio do Pedregal. Um problema da construção da Igreja Santo Antônio do Pedregal, foi um dos muros, que já caiu algumas vezes necessitando ser refeito, a Igreja Santo Antônio do Pedregal, em sua implantação inicial, era pra ser Paroquia, teria até o local de morada do Padre. O que não aconteceu posteriormente, devido ter uma Paroquia nas proximidades, do Bairro Santo Antônio do Pedregal. Senhor Vilson tem 76anos e dona Maria 66. Os jovens da igreja são Judas Tadeu, vinham ajudar o grupo de Jovens, que nesta época não tinha nome, tinham os jovens que se reuniam com Jovens que vinham de outros Bairros, como do Bairro Araes, Bairro Quarta Feira, (Bairro Alvorada), entre outros bairros, que já eram implantados nesta época, hoje o grupo de jovens, chama se “Cantinho do Amanhã” e composto atualmente por trinta membros todos da comunidade, do Bairro Pedregal. Felipe, um jovem de quinze anos, que participa pela primeira vez, sendo um dos membros de apoio do grupo, as reuniões ocorrem no primeiro e terceiro domingo de cada mês, horário as 17:30- horas. Dona Maria da Penha, apesar de fazer parte da comissão, onde são feitos os sorteios, para que nos treze dias de festas do Padroeiro da comunidade, onde são sorteadas, apenas treze casas, que tem o privilegio de Santo Antônio do Pedregal, permanecer em sua humilde morada, Dona Maria, afirma que nunca teve esta graça do Santo Antônio, ficar em sua residência, Elenice, outra moradora antiga do bairro, participa dos festejos de Santo Antônio, a quatro anos, já colocou seu nome por três anos, e não teve o privilegio do santo ficar em sua residência, Elenice diz que continua confiante, e que em breve, Santo Antônio, ficará em sua residência. Dona Maria da Penha, e uma das benzedeiras antigas da comunidade, Dona Maria, afirma que a maioria da comunidade ajuda nos preparativos da festa de Santo Antônio, e que as pessoas que são sorteadas, também ajudam da forma que podem contribuir para o bom andamento das festas de Santo Antônio do Pedregal. Na festa do ano de 2018, Santo Antônio, saiu da Igreja de Santo Antônio do Pedregal, no mês de Maio, O mastro foi levantado no mês de Maio de 2018, e Santo Antônio, foi para a primeira casa da comunidade de Santo Antônio do Pedregal. Após percorrer as treze casas da comunidade do Bairro Pedregal, Santo Antônio, retorna para a Igreja. E começam os preparativos para a finalização do festejo, com a finalização do ritual, Santo Antônio, retorna para o seu lugar, onde permanecera, até o próximo ano, quando começará, todos os preparativos para o ano vigente, onde acontecera todo o ritual, os quais a maioria dos moradores da comunidade já conhecem, aprovam e participam, deixando o legado dos velhos moradores do Bairro Santo Antônio do Pedregal, para os novos moradores, que darão prosseguimento à memória, trazendo sempre as lembranças das festas passadas e suas historias, sendo que em cada ano, apesar de fazerem as mesma coisas, mais as historias são diferentes, com moradores diferentes, apesar de estarem todos na mesma comunidade. A cultura que permanece e passa de uma geração para outra, conforme relata (DFS), que mora no Bairro Santo Antônio do Pedregal, e que fala da festa de Santo Antônio do Pedregal, com grande conhecimento, apesar de morar no Bairro Pedregal, a dois anos, fala também de uma mina d´água, que existia na divisa do Bairro Pedregal, com um condomínio de luxo, que existe a poucos anos, e faz divisa com o Bairro Pedregal, onde a separação e feita por uma grande avenida de mãos duplas nos dois sentidos, mais o Morador (DFS), fala com conhecimento de causa, sendo que os moradores mais antigos, foram multiplicando as informações, diz, (DFS), também conhecer o Sr. Vilson e Dona Maria, e conhece parte da historia dessas duas personalidades, (DFS), ficou conhecendo toda a historia do bairro e da igreja, através de seus vizinhos, que foram contando fragmentos da historia de formação do bairro e da igreja, para os moradores mais antigos do Bairro Pedregal, que fizeram a historia do Bairro e da Igreja Santo Antônio do Pedregal, suas memórias serão sempre vivificadas, por muitos anos, sendo que serão multiplicados, à historia, por gerações e gerações. Mantendo o histórico de formação, em sua forma original, podendo haver algumas alterações, talvez de atores, mais a historia real em si, permanecerá por muitos dias. Por décadas e séculos, muitas historias atravessaram países e continentes, foram contadas por duas ou dez gerações, trazendo sempre a memória dos que participaram da formação, numa época futura, as memórias foram passando de geração em geração, onde não foram esquecidos, e sempre lembrados, no presente e no futuro. Apenas para que os moradores do futura, não se sintam agradecidos por lutas passadas, as quais não participaram, mas simplesmente, para que respeitem a memoria, o suor, e a luta, estando eles no futuro, reconheçam com humildade, que para se chegar onde esta, não foi simplesmente chegar, houve um histórico, não do individual, mais do coletivo. Os quais fizeram a sua parte, “como afirma o Sr. Vilson” fiz o que tinha que fazer.

Anúncios

DEPOIS DA ONÇA MORTA? TODOS ATIRARAM!

Após a incapacidade de defesa de um animal abatido, e bem fácil, tornar-se o autor do ato praticado, porem somente os seres de uma elevação acima da media, reconhecem e respeitam o ser abatido, sendo que a maioria dos demais, uma grande parcela dos seres humanos, não teem este pre requisito, a nos simples mortais, devemos apenas ignora-los, sendo que o nosso tempo e demais de precioso, para perdermos tempo com tais irracionais. O respeito aos seres independe de cor, raça, gênero, posição social, credo, religião, os seres humanos, perderam parte ou total, de sua capacidade de reconhecimento, quanto à um ato praticado ao seu semelhante, porem muitos buscam um reconhecimento individual, desprezando o sofrimento do coletivo, apenas para se tornar conhecido ou reconhecido, segundos de uma gloria, que mais parece uma nevoa de um lago, próximo ao final da tarde! Onde foi parar o amor, o respeito, a dignidade, o perdão, o amor, aquele algo mais que diferencia todos os seres humanos, dos demais seres, sendo que nos últimos dias, os animais irracionais, estão mais próximos e preenchendo estes requisitos, do que todos os seres humanos. Uma morte uma vida ceifada, se torna uma batalha entre os tais seres, pra ver quem faz um enegrecimento maior daquele, que não pode se defender, e os seus com suas forças reduzidos, apenas lançam um olhar, sem entender direito o que esta acontecendo, nem como esta acontecendo, ou seja o abatido, sendo esfacelado, por uma grande parcela, dos tais que deveriam ter o mínimo de respeito, ser digno ao momento do acontecimento. Lembrem-se ninguém esta aqui de passagem ou porque e melhor que seu semelhante, todos estão aqui fazendo um plantio, se o plantio do meu vizinho e pior ou melhor do que o meu, não me cabe fazer nenhum pré julgamento, ou julgamento, sendo que estou no mesmo barco que o meu vizinho, apenas devo seguir o meu plantio, com tudo os seres deste dia, independente de posição social, quanto ao abatido, lançam lhe todas as suas injurias e suas mas intenções, seus fracasso, suas discórdias, seus mais diversos problemas, os quais não conseguem solucionar, porem desta forma e mais fácil transferi los, para quem não tem o mínimo de força, par se defender, quanto hipocrisia, destes seres, “e fácil pisar na formiga, porem no elefante, este ato são apenas para os fortes, e poderosos, não tendo este privilegio à grande parcela dos tais seres., portanto, antes de apontarmos os nossos dedos, precisamos fazer uma grande reflexão: “Eu sou superior ao meu irmão, tenho autoridade sobre a minha vida ou meus atos, sou infalível, estou acima de todos os sistema, quem sou eu, para fazer julgamentos”. Tarefa difícil, este reconhecimento e apenas para os fortes e inteligentes, requisito que não esta ao alcance dos noventa porcento da população mundial. Nada contra os julgadores, mas, só lembrando, todos que aqui estão, neste sistema, tem o seu prazo de validade, e quando chegar o vencimento, não tem rico, pobre, preto, gênero, credo, todos receberão conforme seus créditos, os que possuírem, e os débitos, precisarão ser equacionados, numa conta em que esta o credor e devedor, para um acerto, o devedor precisa quitar seus débitos, o credor, precisa receber os seus créditos, portanto, a conta somente fechara com um acordo, do que está certo, ou foi acordado, um dia antes. Não nos cabe atirar pedra em ninguém que esteja com os seus ventos de sopro em suas narinas, muito menos quem não tem este sopro de vida, que lhe foi tirado. Muita calma nesta hora, para não cairmos na mesmice, porque fácil e dizer que atirei na onça, sem tela feito. Um dia, chegara sem que ninguém espera ou espere, que haverá um acerto. E de nada adiantara dizer; mas eu atirei na onça sem telo – feito, neste dia à verdade vira, e os que pregam o contrario, neste dia ficarão em uma situação incompleta e sem uma defesa, sendo que o fez durante um período, foi o que não acrescenta, neste dia a verdade vira, por enquanto aqui neste sistema, não existe esta verdade, portanto muito cuidado, se for apontar o dedo faça com o mínimo de responsabilidade, sem trazer mais malefícios para os demais, que não tem culpa de certos atos praticados, por.

NO MEIO DO CAMINHO, TINHA UMA PEDRA!

O poder do discurso, que influencia, fazendo escravos e subservientes, tornando-os presas fáceis, desde os primórdios da civilização, grupos primitivos e não primitivos, os quais seguem uma direção, onde quem esta no comando, dita as regras, não aceitando discórdias, nem contradições, à seus ideias.
A politica escraviza e tornam cidadãos dependentes, onde os interesses de poderosos, são atendidos desta forma, não dando chance aos menos esclarecidos, que se tornam escravos e dependentes de um sistema, onde os direitos tendem a ser direcionados apenas para um lado desta sociedade, já os deveres, não seguem o mesmo caminho, onde se criam um distanciamento grande, entre os que detém o poder, sendo que esta transferência de poder, nem sempre trarão beneficio individual ou coletivo, sendo que todos os benefícios, não lhes pertencem. Sendo canalizados todos os meios e lucros, que sempre tomarão a direção oposta do povo, tendo uma direção contraria ao povo. houve um direcionamento a privilégios e protecionismo a um grupo seleto de políticos, empresários, banqueiros e toda à elite burguesa, os quais sempre se protegem e lutam, sempre! por seus interesses e de seus partidos e grupos aliados. O regime militar, procurou, descentralizar este controle centralizado e canalizado, usados pelos sistemas políticos. Apesar da representatividade não tomar o rumo correto, sendo por imposição do sistema em poder, onde generais negociavam entre um grupo seleto e pequeno de pessoas, onde a representação, não seguia um caminho, o qual era democrático e de representação. Nestes sistemas o voto do povo de uma certa forma, não seguiu a dinâmica correta, onde o eleitor esteve no controle. Apesar dos veículos de comunicação, imprensa e mídias, mais o principal responsável pelo processo. Não opinou! Outro fator complicador, e a forma do processo democrático, onde são filtradas todas as informações, pros eleitores, eles não tem acesso as informações necessárias para fazer um rastreamento sobre o processo e os que estão envolvidos no processo, ficado sem controle sobre seus atos. “São meros passageiros de um sistema” Que são dirigidos por políticos e partidos. Em segundo lugar, para os eleitores que são fatores principais no processo democrático, não chega as informações negativas sobre um todo, chegam apenas informações de ordem positiva, onde há um caráter de influencia e condução de uma situação, onde alguém ganha e alguém perde, e, sempre quem perde e o principal responsável pelo processo democrático, que só saberá do verdadeiro acontecimento, quando não pode regressar a um estagio anterior. Os eleitores a serviço de grandes grupos, sendo vitimas de um sistema desigual e desonesto, em que sua única função e servir aos interesses de megacorporações e seus fantoches políticos. Usando assim um direito do eleitor para que sirva aos interesses de grupos e elites burguesa. No caso de vereador, contando com uma comunidade local, onde quase todos se conhecem, e buscam se ajudar, normalmente famílias, nas escalas mais altas, Governador, Senador, Presidente, há um jogo de interesses, onde os eleitores, são simples bonecos nas mãos dos mesmos, sem nenhuma condição, antes ou após as eleições, estes eleitos somente servirão aos interesses de grupos, oligarquias, empresas e megacorporações. O eleitor neste caso, passa a ser descartado, onde os eleitores dificilmente terão acesso com os eleitos, ficando sempre no impedimento, antes e depois das eleições, neste caso oligarquias e megacorporações, dão as cartas. O individual e coletivo, precisam ser disciplinados, para que as regras deste sistema, onde os pesos e medidas são desiguais, trazendo benefícios para grupos, os quais nem sempre se lembram, ou melhor há um descaso com o detentor do poder de fato, onde este poder e transferido, e em contrapartida não há equilíbrio nesta transação, ou neste acordo. As colônias e suas descolonização, que foram seguidas por grupos políticos trabalhistas e outros, os quais, acreditam estar numa posição superior, o egocentrismo nato, onde o outro, esta as suas ordens e aos seus interesses e dos grupos aos quais o politico pertence, não se importando com o outro, apenas aos seus. Há uma necessidade de reeducação em todas as bases deste sistema, começando pelos mais jovens, no sistema, uma reestruturação voltada para os interesses de todos, não apenas de grupos, corporações ou megacorporações, sendo que o poder e do povo, para o povo, existe uma inversão neste sistema atual. Que precisa ser debatido à curto prazo. Para que em médio prazo, não haja uma falência total deste sistema atual.

Todos os seres humanos, vivem de sonhos, é preciso, alimenta-los.

Onde esta Max, onde esta Lola, para onde Pietra vai. À vida como uma luz de um pequeno e antigo candeeiro, onde o seu querosene esta por quase no final, e vemos esta luz, do pequeno e velho candeeiro, quase se apagando, tentamos entender, esta lógica, que e a razão do inicio, meio e fim, não suportamos esta ultima parte, e a que mais nos distancia do racional. Como seguir este velho e pequeno candeeiro, o qual o querosene, esta por finalizar, e ao apagar deste velho e pequeno candeeiro, como segui lo, em uma noite de grande nebulosidade, à quem recorrer, sendo que estão todos debaixo do mesmo julgo. E ninguém e dono de nada aqui neste sistema, o qual todos, tem prazo para finalizar, suas atividades. Como seguir e qual direção seguir após o ultimo migalho de luz do pequeno e velho candeeiro, sendo que somos fracos e impotentes para as adversidades desta vida, aqui neste sistema impuro e cruel. Onde localizar este elo, o qual ficou parado em algum lugar desta trajetória, sendo que não há como retroceder, ou buscar uma ligação com o ontem, porque não se e dono de nada. Ao buscar as resposta para este feixe de luz, onde se inicia em um determinado grau e a cada dia, neste sistema, tende a diminui la, sendo impossível reativar com as forças de ontem, ao começar esta caminhada, como, não causar os mesmos descuido, de ontem. A busca do ser humano, por causas as quais não se podem alcança las, nos entristecem, mais a ordem e esta, e a nós, somente devemos segui las, à nós sempre será impostas, as regras, à nós, sempre será permitida, apenas. Dar prosseguimento. À nós simples mortais, não e dado este direito, temos que seguir a fila, não podemos parar. Porque conforme o andamento da fila, nos e impedido, de parar, precisamos continuar, muitas vezes nos faltam, forças, incentivos, palavras de conforte ou esperança, mais como não nos e permitido, parar, precisamos dar sempre, mais um passo, no sentido do extinto, muitas vezes rumo ao nada, sem direção, seguindo por seguir, conforme o andamento desta grande fila, que nunca para. “já dizia certa frase de uma musica, eu não posso parar, porque não tenho este direito”, andando sempre procurando este tal, porto seguro, o qual nunca encontramos, chegando; até, em nossa mente, imaginar, que o tal, não existe, são criações, de certos intelectuais, de um passado distante, somente para nos incentivar, a tal procura. Como a corrida do ouro. Ao qual muitos encontravam, o tal metal, mas com uma analise mais técnica, se verificava, que o tal metal. “era ouro de tolo”, a busca continuava, dia após dia, mês após mês, sendo que o tal metal, o qual tinha a origem e o quilate, próprio, jamais era encontrado. E a fila seguia, por muitos dias. A nos simples mortais, só nos resta! Olhar para a tal fila, que nunca para, então um dia, alguém olhará para a mesma, como nós olhamos hoje. E quando isto acontecer, então saberemos, que não fazemos mais parte desta grande fila, que nunca para, são acrescentados ou tirados dela, alguns indivíduos. Que serão substituídos por outros, e assim ela prossegue, como uma competição, onde o perdedor sai, e o ganhador entra, e amanha, este que foi ganhador hoje, será substituído por outro ganhador, e a tal fila, nunca para! Porque ela nunca tem em seu corpo, os mesmo elementos, sempre em um determinado período, são substituídos. E assim a fila segue, a vida segue, para alguns, outros não, sendo que ficam pela caminho, no decurso do percurso, e assim tudo se transforma, onde nesta transformação, são colocados elementos novos, e tirados elementos, novos de media idade ou mesmo de idade avançada, a tal fila não tem preferência ou paixão, por quem esta nesta grande fila, se analisarmos por este ângulo, ou lado, como queiram, a vantagem desta grande fila, e que ela, por não ter preferência por idade, cor, sexo, raça, etnia, clero, ela faz um nivelamento, de todo o ser, não colocando, ou separando uns dos outros, como fazem os homens na terra, que fazem esta separação, levando em consideração, ou usando métodos de avaliação e separação, baseados, no poder do tal. Que quando tem o sopro de vida, esta no topo da pirâmide, sendo tirando o sopro, e substituído por outro no topo desta mesma pirâmide. Assim sendo, à todos nós, que estamos nesta grande fila, independentemente, de classificação, vamos dar mais um passo. “não podemos desistir, porque, não temos este direito”. E a fila segue… (“Alimente, um cachorro, por três dias, ele será grato, por trinta anos. Alimente um homem, por trinta anos, ele lhe esquecerá em três dias”). Que ser racional, ainda assim prefiro os seres irracionais, são mais confiáveis e sempre poderemos contar, com eles.

As melhores coisas da vida; Amor, Perdão e Paz.

Não existe nada melhor neste mundo, do que um amor correspondido, o perdão de familiares e amigos por erros que cometemos a cada segundo do dia, que traz aquela paz, onde parece que os minutos, não passam ou melhor a vontade de que cada dia nunca termine, mas se inicie e se renove a cada segundo deste mesmo dia, nos fazendo sonhar com o que a maioria das pessoas do mundo sonham, com, amor, perdão e paz. Como e bom viver com estes requisitos, os quais parecem impossíveis de se adquirirem no decurso do percurso de nossas vidas aqui neste sistema, onde se prega o ódio, o desrespeito, o desamor, a guerra, vingança, morte e por ai vai. Um mundo em guerra. Um sonho que não e impossível, mas possível, aos que crêem, em um mundo melhor para todos os seres humanos, à nós que somos viajantes desta grande nave, seriam de normas e procedimentos, onde todos teriam condições de cumpri las, sem impor nenhuma coisa onde não houvesse metas impossíveis de alcançar. Apenas amarmos uns aos outros. Simples, não é. Quando uma pessoa ama a outra, ela proteja, respeita, cuida. Hoje vivemos os dias em que são comuns praticas, onde trocamos tudo por nada, inversão de valores, incitação a violência e ao racismo, segregação racial, praticas de abuso em todos os segmentos e setores da sociedade, muitos buscam a briga e outros incentivam intrigas e raiva. Parece que somos todos inimigos nesta terra. Poucos são os que guardam as armas e pedem desculpas, muitos pegam e armas e incitam a violência, onde os cabelos brancos, já não dizem nada. Ou melhor nem brancos são pois são velhos de cabelos pretos. Vaidade, tudo nesta vida se resume em vaidade. Muitos buscam o seu futuro aqui neste sistema, que não existira amanhã; outros armam ciladas pro próprio irmão para destruí lo e assim, possuir o que o mesmo possui. Se o sangue faz isto, imaginemos o não sangue. Portanto ainda da tempo de lutar por dias melhores, sendo que os que praticam a iniquidade, são minorias, ou pequenas classes, à maioria luta pro dignidade, paz, amor, e paz. E estes vencerão, sendo que os que buscam o que e correto, sobrevivem. Os demais, morrem, e muitas vezes sozinhos e abandonados, vitimas de seu próprio veneno mortal, em que contamina todos os circunvizinhos, fazendo com que os corpos iguais se aproximem, e os não iguais se afastem. Tudo provem da lei. Onde o que e correto, busca o que e correto. Porem o incorreto, busca o que mais se aproxima, de seus atos e gostos. Que todos nós, estejamos prontos a ouvir mais e falar menos, perdoar mais, do que causar mas mortes, as físicas e as espirituais, e que saibamos viver em paz uns com os outros, praticando o amor, sendo que quem ama, não mata. Mas regra a vida a cada segundo do dia, trazendo vida, por onde passa, deixando um legado, onde pouco se fala, mas que terá sua lembrança jamais esquecida, por todos os que praticam a justiça, que o amor sempre vença, que a paz permaneça e irradie por comunidades individuais e coletivas, em todo o nosso planeta. O amor traz a vida, a paz, a harmonia, o respeito, a dignidade, o pudor, o caráter, a vida. Um dia todos os homens irão se amar, sem maldade. O amor verdadeiro, sem culpa, sem se sentir culpado pelas palavras lançadas através dos segundos.

Ate onde vai; a intolerância, o desrespeito, a maldade, do ser humano.

Sempre que antecede um acontecimento de médio ou grande porte, alguns se divertem e muitos sofrem! O sofrimento de muitos, os quais são indefesos e sem nenhuma expressão ou de pouco valor para alguns. Enquanto poucos se divertem com sua maldade desenfreada, muitos animais são ceifados de sua vida, sem nenhuma chance de sobrevivência ou mesmo sem saber porque estão sendo dizimados no individual ou no coletivo de suas espécies. Como o homem e mau! Porque? Para o bem de uns poucos intolerantes, muitos os quais são invisíveis aos demais, precisam ter sua vidas aniquiladas ou atrofiadas. Perdendo todo o pouco que possui, onde são fragmentados ou mesmo destruídos por: bombas, rojões, foguetes, em rotas de colisão com os indefesos e que não tem nenhuma lei que lhes de um pouco de dignidade ou mesmo respeito, sendo que famílias inteiras são estraçalhadas, despedaçadas sem mesmo saber porque estão sendo destronadas de seu habitat. Onde os animais racionais, que deveriam pensar, respeitar, somar, multiplicar, fazem o caminho inverso de tudo o que e correto. Quando foi que um animal fez mal à algum ser humano. A ser em caso de defesa, onde se luta pelo pouco que tem. Defendendo filhos ou um pequeno lar, onde já foram rastreados por outros seres humanos. Ate onde vai a falta de amor dos tais animais racionais! Que destroem, esfacelam, destronam, desfragmentam, fazem tudo o que mal. Somente para satisfazer o mal que seguem. Não dando nenhuma oportunidade para os menos desprotegidos ou excluídos em parte, ou totalmente de um sistema arcaico, mal intencionado, inapto, não em parte mais no seu total. Onde só tem vez quem pratica uma alta gama de maldade. Desta forma torna se um membro onde e endeusado e idolatrado. “pobre homem”, que tudo o que faz, foi, e sempre será, para sua própria destruição. Sendo que o mal, anda com o mal. O oposto do bem, que não se mistura com o mal. “como o homem e mau”. Pensando ele, que ira sobreviver aqui neste sistema falido e ultrapassado, onde os seus dias foram contados e recontados, e não foram achados mais créditos, mais somente débitos, os quais, já findaram os seus dias. Tolo, todos os quais apostaram todas as suas fichas em um sistema arcaico e ultrapassado, pois perderam tudo. Ficando apenas com os problemas, os quais foram plantados, por todos os seres humanos. Sendo que são maus. A eles ficaram à seu favor, apenas a colheita dos espinhos, os quais não tem como escapar, porque a justiça lhes impôs este requisito. Os quais foram aceitos em dias anteriores, não podendo ser mudado num futuro próximo. Não tendo nada em credito para apresentar em sua defesa. Pobre, homem tolo. Ficando apenas com as dores e os sofrimentos. Vindo em sua memoria apenas pequenos fleches, de um passado distante, onde não lhe pertence mais, portanto no presente ainda temos um pouco de tempo, para uma breve reflexão: “o que ganho com o sofrimento alheio”.

Deus e a principal função, que recupera o que não tem solução, através da pequenez do ser, para que ele seja reconhecido.

Festas, congratulações, excessos, vícios, toneladas e toneladas das mais diversas drogas, inaladas, bebidas, passadas, e todos os tipos de malefícios aos quais os seres humanos se entregam e absorvem à cada segundo do dia, por semanas, meses e anos. Como esta maquina e difícil de destruir, como foi formada e de que foi formada, apesar de todas as formulas de destruição, à que são impostas todos os dias, ainda estão de pé, com muitos problemas, mas muitos os quais são feitos reset, e voltam a um estagio inicial, e com as mudanças as quais são absorvidas e atenuadas, vividas ou não vividas, exemplos aos quais uns seguem outros não! Esta maquina continua surpreendendo a muitos mundo a fora. Os problemas adquiridos durante um período longo ou curto, dependendo do ser? Muitas vezes com o reset. Há um estagio entre o inicio e meio, o qual sofre uma metamorfose de transformação, no qual o ser segue uma estrada menos perigosa, sendo que esta em condições de uso de “cinquenta por cento” do seu total de força e resistência, onde este ser busca uma estrada paralela, ou como dizer via alternativa, onde coloca esta maquina em funcionamento de um período reduzido, sendo monitorado diariamente, de todos os seus atos, pois já provou que num passado não muito distante, com seus atos de irresponsabilidades, se não fosse feitos cortes e ajustes com um grau e intensidades, de alto teor e controle, já não estaria mais por aqui, neste sistema onde impõe todos os tipos de problemas e malefícios sem solução, buscando apenas a sua satisfação agressiva e controlada por apenas alguns dias. Onde buscar ajuda, sendo que todos estão envolvidos com um sistema que não busca o melhor para ninguém a não ser para o próprio sistema, que precisa sobreviver, custe o que custar, pra quem não for ou não estiver no mesmo saco. Portanto e hora de um investimento em massa, em nossa base humana, que são as crianças, adolescentes e jovens, para que num futuro próximo, alcancem uma vitória completa, sendo que somente a nação que investe em sua base terá um futuro, os demais irão murchando, e que os hábitos que não nos agradam que sejam esquecidos num passado distante, com as velhas raposas, que já não existirão mais. E que Jesus esteja com toda a juventude não somente do Brasil, mas de todos os países e nações, para que num futuro próximo estejam preparados para todas as adversidades dos tempos vindouros, e que tenham sabedoria, para passar por todas as intempéries dos tempos futuros, sendo que estarão preparados para todas as batalhas, que porventura haverá de vir. Para a raça humana. Que os erros do passado, permaneçam no passado, e que não sejam mais praticados no futuro. Para isto precisamos erradicar as raízes do mal dos séculos passados. Para que no futuro, não haja vestígios do passado. Que se acrescente, some e multiplique, os benefícios a raça humana, vindoura.

Que o espirito do final de ano, não morre após primeiro de janeiro do ano seguinte?

Entra ano e sai ano e o discurso e o mesmo. Boas festas, amigos para sempre, vamos guardar as armas, paz e amor, respeito, unidos para sempre, troca de presentes, amigos secretos e não secretos. Um espelho da hipocrisia e demagogia, que e típico do ser humano. Algo assim, “uma brincadeira de gato e rato. Ou conversa de bêbado para delegado.” Uma falsa ilusão de que tudo esta resolvido, certo, ok e por ai vai. Crianças não morrerão de fome no próximo ano, haverá paz e harmonia em todas as esferas da sociedade. Não haverá discórdia, nem guerras, e todos os problemas de todos os seres humanos estarão resolvidos. Porque não seguir regras de etiquetas diárias; visitar, hospitais, presídios, orfanatos, asilos, praticar boas obras, não maltratar os animais, ser gentil e educado, fazer a sua parte, perante a sociedade, buscar soluções para problemas, de ordem familiar, financeira, administrativa, jurídica, estes os quais fazem todos os tipos de acepção e exclusão de todos os seres humanos em todas as esferas da sociedade. Onde o capital impera, trazendo todos os tipos de mazelas e doenças que assolam milhões de pessoas, todos os dias, não e no final do ano. Mas a cada segundo do dia, que nasce. Que este espirito, do amor, do doar, do servir, do colaborar, do acrescentar, do somar, esteja impregnado em todos os seres humanos todos os dias do ano. O medico, que ira trabalhar sorrindo e feliz, grato a Deus, por tudo o que recebeu naquele momento de vida que lhes foi dado. Não apenas sair para acumular e acumular e acumular. Como todos fazem, não somente os médicos, mas todos, que optaram pelo sistema capitalista, que não se cansa de bater recordes diários de acumulação de capital, ganhando a todo segundo do dia, e quando um ganha, com certeza o outro, perde. E quando apenas um ganha, o outro num futuro próximo deixara de existir. Porque tantos abraços, palavras de carinho e incentivo a vitória, reintegrando este ser em uma vida de prosperidade e amor, declarando paz, amor, mansidão, respeito e tudo de bom, e que em poucas horas, ao explodir dos fogos, todos voltam a uma competição, onde as regras impostas pelo capitalismo selvagem, são; ganhar, ganhar e ganhar. Sem se importar com seus semelhantes, irmãos, amigos. Como explicar estes dois lados de uma mesma moeda, qual formula para neutralizar esta metamorfose, à qual todos se submetem, aprovam e seguem. Se tornando pessoas, frias, calculistas, interesseiras, desumanas, ignorantes, falsas, mentirosas, individualistas, mesquinhas. Todas as péssimas qualidades, as quais fazem parte do dia a dia, e vocabulário de todos os seres humanos. Certa vez ouvi uma frase de um anônimo; “todo dia podia ser natal, as pessoas passam por uma transformação, voltam a ser bons e amigos, o amor esta em todos os cantos do planeta”. Realmente as pessoas passam por um momento de transe ou transformação ou ainda metamorfose, e há um grande ganho para todos, os que doam e os que recebem. O amor aflora, por todos os cantos do planeta, os inimigos guardam suas armas, as mães veem seus filhos e filhas, os amigos trocam falácias de todos os tipos, graus e números. Realmente nesta transe, mesmo que temporária, há um grande ganho para todos e todas, amigos e não amigos, à todos nós vale sonhar, ou como disse Martin Luther King, “Eu tenho um sonho”, que este sonho para todos os seres humanos, sejam, de transformar este espirito do amor, do doar, do cooperar, do somar, do acrescentar, do perdão, da humildade; não apenas por 365 ou 700 dias, mais por todos os dias de nossas vidas. Desta forma, nos tornaremos seres humanos de verdade, não acumulando tudo, conforme o capitalismo, mais repartindo o que temos, sendo que precisamos de pouco para sobreviver. Do que adianta nos sobrevivermos, enquanto nossos irmãos da África, morrem de fome, o que nós desperdiçamos, com certeza e o que eles sonhariam em ter para passar mais um dia, sem ter que sonhar comendo. Apenas um sonho de uma criança africana. Ou mesmo qualquer criança de tantas comunidade, aldeias e clãs ao redor do planeta terra. Que sonham apenas com o básico da sobrevivência humana, que e o alimento diário. “O pão nosso de cada dia”.

Que direito tenho eu? De me apropriar do que não e meu!

As vezes penso! Como entender o primeiro, sendo que já esta determinado, o primeiro e o primogenito, ou seja detentor dos direitos, apesar da rejeição ou transferência, o primogenito, e o verdadeiro dono do direito, se estiver presente ou não. Portanto sua casa ele estando ou não, seus limites precisam ser respeitados, de eu faço uso do seu local sem a sua permissão estou subtraindo, seus valores e seus direitos, de nada adianta contar uma estória, cheia de detalhes e incremento, pois de nada adiantara. O verdadeiro dono um dia ira chegar, com o seu titulo de propriedade, e não haverá necessidade de nenhuma justiça humana, para que se faço a comprovação, sendo que com suas palavras a verdade florescerá , não há nada que sustente a tese em questão sem os devidos documentos comprobatórios, então como proceder, a quem recorrer, como fazer. Existe apenas uma estrada. O direito de propriedade voltara para as mãos do dono de direito. Pode ter sido construído um palácio ou uma casa de proporções gigantescas com uso diário por milhões de seres humanos, de nada adiantara pois o direito de posse pertence apenas ao dono, o detentor do direito. Não cabendo aos demais usuários ou passageiros deste local, fazer reclames em voz alta ou baixa. O local não lhes pertence mais, de nada adianta o choro ou reclamação, pois foi feito uso incorreto do local, mesmo com as mega construções em questão. Portanto que nos sirva de lição, a impropriação indevida, nos faz ver que e um procedimento incorreto, um dia, cedo ou tarde. O verdadeiro reclamante e detentor do direito de fato. Vira procurar, e de nada adiantara as estórias contadas de geração em geração, copias feitas de forma incorreta, um atentado ao direito. Do verdadeiro proprietário, pois se eu fiz a construção da minha casa de oração no local do outro, que direito tem eu, sobre o lugar. Sendo que já havia no local outra casa de oração. Agora pra sustentar os meus interesses vou tocar fogo no mundo, eu posso com o mundo! Onde começa o meu direito, ate onde vai o meu dever. Porque tanta intransigência, onde tudo isto vai parar. E como parar, ou não vai parar? Qual razão de subtrair o outro e ainda acreditar, achar, que tem o direito de burlar todas as regras, para buscar um direito que não e seu, já houve um erro, qual legitimidade em continuar no erro. Qual fator deve ser usado, para classificação de “QI”, onde amparar tal ideia, como e onde buscar base legal, que apoi a ideia de mando e desmando. Como proceder com tal falta de correlação do que e certo e errado. Onde parar, para buscar tal bifurcação, para o encontro destes povos, que estão indo para lugar nenhum, em busca de nada através do ódio e baixas de seus semelhantes, pois todos nos somos irmãos, todos os moradores da terra, viemos da mesma matriz, e temos a mesma linhagem, como entender de irmão matar irmão por nada, em busca de nada, indo para lugar nenhum. Como entender! para se ter sucesso e necessário o sacrifício de outro semelhante, em nome de um deus, que prega ódio, vingança, pedofilia, acepção, que deus e este que certas pessoas seguem, enfileirados por seus lideres, que mais parecem estar à serviço do mal do que do bem. Como este mal sobrevive, matando seres humanos inocentes, que saem para cumprir suas obrigações diárias, e suas vidas são ceifadas, deixando filhos, esposas, pais, tios, primos… Que num futuro próximo poderão ser as próximas vitimas de um sistema arcaico e ultrapassado, racista, centralizador, corrupto, egocêntrico, a serviço do mal. Só o amor da à vida, multiplicando a paz, trazendo prosperidade, bênçãos, a verdadeira vida, gerando vida, através do amor. Este sentimento que não exclui, não mata, não rouba, não faz nada do que e ruim, para si e para seus semelhantes. Portanto as pessoas de diferentes clãs, só aprenderão o verdadeiro sentido da vida temporária aqui neste sistema, quando aprenderem a Amar! Sendo este sentimento uma fonte inesgotável, onde os princípios de todos os seres humanos, estão entrelaçados no DNA, gerando vida e não ceifando vidas. Quando se ama, tudo caminha para um mar de tranquilidade e paz. Não tirando o que não nos pertence, contando estórias sem fundamentos e base legal, onde as informações do passado não se sustentam, estórias copiadas e que sofreram adendo no decurso do percurso, onde; o meio veio pro inicio, e o fim veio pro meio.