Uma outra hora, Talvez…

Os pequenos e médios produtores, não conseguem sobreviver, sendo que suas áreas, são pequenas e não tem fontes extras de rendas, para manter as pequenas propriedades, nem seus familiares. Sendo que já estão nestas atividades, a trinta, cinquenta anos, mesmo assim nunca conseguiram um equilíbrio, pois os gastos superam os ganhos, jamais, conseguirão nesta atual conjuntura, se manter ou sobreviver, sendo que o mundo agrícola moderno, tem seus meios, e recursos, sendo estes recursos próprios advindo da produção, e dos meios de financiamentos, que são destinados a um grupo seleto de produtores, que mesmo tendo áreas pequenas, mais não dependem dela para sua sobrevivência.
“A base da produção rural é a pequena propriedade. Um levantamento da Secretaria Estadual da Agricultura – o projeto Lupa – mostrou que existem em São Paulo 277.120 unidades rurais produtivas. Desse total, 207 mil são pequenos produtores, com menos de 50 hectares de área. Os médios agricultores, entre 50 e 200 hectares, somam outros 50,5 mil. No conjunto, eles correspondem a 93% dos agricultores, ocupando 42,5% da área agrícola”. Publicado em O Estado de S. Paulo (6/12/1997).
Neste caso, o fator que rege, não são os com terra, mais o sem terras, sendo que os com terras, mas com áreas as quais não conseguem sobreviver, porque com estas áreas de pequeno porte, as despesas, sempre serão maiores que as receitas, os com pequenas propriedades, nesse quadro atual, terão um futuro incerto, pois produzem pouco, e os gastos são muitos, não haverá equilíbrio entre debito e credito. Caminham rumo ao endividamento, lhes restando num futuro próximo, a entrega de suas pequenas propriedades, para a quitação de dividas com instituições financeiras e o comercio. Problemas de acesso a credito, financiamento, impõe uma condição de exclusão e esses pequenos proprietários de terras, que ficam sem apoio do sistema financeiro, sem condições de terem assistências em suas propriedades por Agrônomos, Técnicos em Agropecuária, e Outros profissionais da área agrícola do país, sendo que os mesmos são cobrados mais não tem o devido retorno, os pagamentos como ITR, “Imposto Territorial Rural”, precisam serem feitos todos os anos, sob pena de problemas com as propriedades, ou seja “a mesma mão que dá não e a mesma que recebe” Um outro fator que pesa contra os pequenos agricultores, e a falta de formação, sendo que os mesmos, não tem nenhum conhecimento especifico, na área que atua, nem mesmo para demandar, com instituições financeiras, comerciais ou de procura por créditos, como cooperativas, e instituições que detém os recursos financeiros. Nas ultimas décadas, com o abandono da cooperação do estado para com os pequenos agricultores, houve um regresso significativo, neste meio, onde campos não foram feitos os devidos corretivos de preparos para uma agricultura de competição, maquinas ficaram estagnadas à décadas, passadas, tornando se inviável, um investimento, nestes equipamentos, que se tornaram se sucateados e sem a mínima condição de uso, em vista que os reparos, são muito caros, e tornando se um alto investimento, para que os pequenos produtores, agricultores, que já não tem recursos, nem investimentos, e tão pouco incentivos por parte do sistema operante, “tornaram se, proprietários sem propriedade, donos de maquinas e equipamentos, sem máquinas e equipamentos, sendo que se tornaram todo um processo de estagnação, pararam no tempo”, pro Estado, isto e péssimo, pois o mesmo precisa, se organizar, para dar suporte, as estas famílias, vindas do campo, ou área rural, para a área urbana. Por parte do Estado, seria menos oneroso, mante los nas áreas rurais, os com terras.

O desafio da agricultura familiar,

O grande desafio da politica rural, e justamente, manter o homem no campo, sendo este homem do campo, um pequeno produtor ou agricultor, os mesmos não tem qualidade de vida, como ter condição de vida, sem ter condição de manter uma área, uma maquina, ou mesmo duas ou três vaquinhas, que lhes impõe um custo extra adicional, aos mesmos. Sendo que as receitas são mínimas e compassadas, as despesas, são diárias, imediatas, e não podem esperar para o outro dia, planta se pouco, e compassado, cria se pouco e compassado, como fazer este equilíbrio do imediato, com o compassado. Não há uma formula, que equacione esta operação, no campo pequeno, tudo e compassado para se retirar as receitas deste campo. Em contrapartida os gastos são diários e imediatos, “Não e justo, dizer para quem tem fome, aguarde até amanhã”. Se o problema e imediato, a solução terá que ser imediata, para que haja um nivelamento, “o dar e receber”. Temos a impressão de uma coisa orquestrada, sendo que muitas pequenas propriedades, vem de herança familiar, e estas mesmas propriedades, fazem divisas, com o grande e especulativo capital do agronegócio, deste país. Qual a formula para reverter esta situação, de total discrepância, “qual a chance da formiga lutar contra o elefante”, e um julgo desigual. Onde somente quem tem as melhores condições, sobreviverão. “Segundo estudo da FAO/Incra, existem 4,14 milhões de agricultores familiares no país. Esse enorme contingente de trabalhadores (com terras), detém 30,5% da área e gera 38% do valor da produção rural. Ocupa 77% da mão de obra no campo, somando 13,8 milhões de pessoas, metade delas no Nordeste. Este é o perfil geral da agricultura familiar no país. Fora os novos agricultores assentados da reforma agrária”. Pg. 158. Es aqui o grande desafio do sistema operante, em manter, dar condições dignas, a estes produtores, que tem dado uma grande contribuição ao abastecimentos interno de pequenas, medias e grandes cidades. O não apoio a esta classe, implicara ao sistema operante, um problema em escala gigantesca, sendo que o êxodo rural, já provou que só houve problemas, para as pequenas, medias e grandes cidades, com o acumulo de pessoal, e o desabastecimentos de ordem geral, como frutas, legumes, leite, e outros. A reforma agraria, precisa agir e conduzir suas ações, de forma organizada e centralizada, fazendo uma readequação e impondo regras claras, delegando com a força do Estado, para que realmente, aconteça e tenha um impacto forte, duradouro, e certo, no alinhamento, da verdadeira produção e ganhos para todos, não somente para o capital especulativo e organizado, centrando todos os meios para o grandes produtores, há necessidade de um ordenamento e centralizado para a verdadeira agricultura familiar, e os que realmente, tem o desejo de participar deste projeto, que e seguro e trará um equilíbrio, à verdadeira agricultura familiar. Distribuindo rendas, melhorando as condições do moradores rurais, e das pequenas cidades rurais, onde com essa cadeia alimentar, todos serão vencedores, uma agricultura equilibrada, gerando dividendos e divisas, para pequenos produtores, feiras, e cidades rurais e urbanas. “Representam, segundo a FAO/Incra, 1,9 milhão de pequenos produtores. Distante do mercado, tal segmento nada se assemelha ao grupo de elite, formado por 400 mil agricultores eficientes, inseridos na economia. Na parcela intermediária encontram se os agricultores em transição, subindo ou descendo a ladeira do progresso. Pg. 160.

Classe média rural,

Em 1964, quando foi aprovado o “Estatuto da Terra”, tinham em mente, o apoio a reforma agraria, geração de divisas no meio agrário rural de pequeno e médio porte, como a agricultura familiar, trazendo benefícios para todos. Os americanos, temendo a expansão cubana, em 1959, recomendava a redistribuição de terras, para combater os grandes latifúndios. Com este procedimento, o capitalismo no campo, foi o grande vencedor.

Anúncios

A nuvem que passa.

Sobre o artigo escrito por Carlos Alberto Rosa, com o título “O caso Maria Eugenia”, publicado no Diário Oficial, em 31 de julho de 1996, disserte acerca da temática e da militância política e histórica construída pelo autor.
Tudo o que ameaça o poder, ele vai trabalhar para neutraliza ló, ou elimina ló, o poder via uma analfabeta, como uma grande ameaça, e trabalhou com todo o seu poderio, para fazer se calar aquela voz, esta voz que ecoava, com raízes africanas, e construções das quais ela fez parte, com suas raízes, bonecos, rituais, crendices, para a burguesia, eram atos ilícitos, demoníacos, coisas das trevas, para uma cultura, que se considerava avançada, para eles, todos os atos de Maria Eugenia, precisava ser destruído, eliminado, excluído, para tanto, prenderam, como uma criminosa que trabalhava contra Portugal, e a coroa. Sobre parte das reflexões da tese de Carlos Alberto Rosa, na apostila discutida em sala de aula, com o título “Introdução à disciplina”, explique/discuta/apresente os seguintes termos:
espacializações colônias, o uso do prefixo re, o topônimo Mato Grosso, reterritorialização.
O autor, com o uso destas palavras, esta contextualizando, a invasão e conquista dos portugueses, no continente, ainda o autor, quando usa o sufixo “ré”, ele nos direciona para o fato de que no continente, já haviam moradores, e que se já estavam neste continente, como se explica a colonização e a reterritorialização, onde se estimava uma população ameríndea, de um milhão de habitantes. Já Mato Grosso, por estar mais centralizado no meio do serrado, seu nome se deu justamente com essa centralização tanto do Brasil, como da América do Sul. Sendo que estes documentos datam do ano de 1720, e 1730, nas margens do rio Guaporé. analise a frase: “Pensar a história de Mato Grosso é reconhecer que essa é a história de um espaço constituído como território durante séculos, do século XVIII, até o século XXI”. A história de Mato Grosso, nunca esteve no foco, ou na procura por informações, sobre, os principais dados deste estado. Algumas lembranças na atualidade, nos remete a divisão do estado, que ocorrera em 1977. Pouco nos interessou quando no final do século 20, em 1940, o Estado de Rondônia, saiu das entranhas de Mato Grosso, O próprio Mato Grosso, sempre perdeu muito em sua história, sendo que antes, fora ofuscado, por Estados Como São Paulo, sendo que quando os sertanista, aqui chegavam, tinham um objetivo especifico, da retirada das riquezas, ou mão de obra. Sobre a tese de Otávio Canavarros, “O poder metropolitano em Cuiabá (1727-1752)”, apresente os seguintes itens: o objetivo da tese, a justificativa, o quadro teórico e conceitual, o recorte temporal de análise, a metodologia, as fontes pesquisadas e os arquivos visitados, e a historiografia consultada, obedecendo a cronologia de sua produção. A territorialização no oeste da colônia, no passado colonial, “1727-1752”, o recorte do antigo arraial de Cuiabá, que passa a Vila Real do Bom Jesus de Cuyaba, em 15/01/1727, e a fundação de Vila Bela da Santíssima Trindade, em 19/03/1952, esses dois eventos, foram relevantes no processo de ocupação deste território, no oeste do Brasil, sendo que houve a delimitação de espaços, para a ocupação, por Portugal e Espanha, com o Tratado de Madri, em 1750. Sobre a tese de Lylia da Silva Guedes Galetti ‘Sertão, fronteira, Brasil”: imagens de Mato Grosso no mapa da civilização”, explique como o conceito de sertão e fronteira foram construídos pelo autora ao longo do primeiro capítulo intitulado, “A configuração do território: fios de um imaginário”, páginas 41 a 89. Pluralidade linguística, a partir, de uma diversidade de interpretações, uma palavra de varias ramificações, origem em vários continentes, tais como, obscura, misteriosa, controversa, origem no dialeto latim, ou mesmo dialeto africano, sendo definido, como um processo de expansão de uma região no interior do pais, mais precisamente, no oeste, deserto ou sertão, interior, dando a impressão de um afastamento do litoral, “Pero Vaz de Caminha, em sua carta, faz referencia a Sertão, como um lugar distante do Mar”. Da obra: “A terra da conquista: história de Mato Grosso Colonial”, organizada por Carlos Alberto Rosa e Nauk Maria de Jesus, escolha um artigo para o seu futuro seminário, e apresente os tópicos que irá expor para os colegas em sala de aula.
O autor, quando faz referencia ao seu artigo, “A cabeça da republica”, transcrevendo as festividades em suas normas e procedimentos, que eram impostos pela coroa, a vila, ou arraial, onde todas as representações nas festividades, se remetiam as autoridades reais, em todas as suas escalas. Sendo que no caso especifico do autor, estas festividades, aconteciam nas capitanias, de Vila Bela da Santíssima Trindade, e em Vila Real de Bom Jesus de Cuiabá,. Todas as festas que eram feitas nestas duas capitanias, eram organizadas, pela câmara local, onde as determinações eram seguidas e obedecidas por ordem da Capitania de São Paulo, onde essa obedecia a Coroa de Portugal, e as ordens eram em equilíbrio com a Coroa Portuguesa, e delegada pela Capitania de São Paulo, que delegava e cobravam as normas e procedimentos. Ora impostos as Colônias, Capitanias, Vilas, pela Coroa Portuguesa. Como forma de coerção, e imposição de autoridade pelo colonizador, aqui no caso específico, Portugal. Que através da Capitania de São Paulo, fazia o controle destas festividades nas capitanias de Mato Grosso.

O QUE VEM! LOGO APÓS À CURVA.

Normas que são seguidas e introduzidas, conforme a construção que está em questão, a sexualidade e compreensível como construção e implantação através de normas, estas normas são conforme a natureza, e continuação de uma implantação, conforme os elementos os quais a química explica na sua essência, conforme o corpo o qual e composto de pênis ou vagina, desta forma começam as construções, conforme o corpo, quando o corpo e aceito por quem esta usando, esta pessoa se identifica, e segue o seu destino, quando uma pessoa nasce num corpo que não se identifica, o mesmo busca fazer uma correção, conforme o seu meio de identidade, sendo que este ser, não se localiza, o mesmo fara uma adaptação ao meio em que o mesmo ira ser inserido ao meio social que este ser será implantado, sendo aceito ou não, as adaptações serão de forma lenta e gradual, sendo que mesmo depois da transformação será feito uma readaptação deste ser em seu novo corpo. Sendo que o mesmo será acompanhado, em um período de adaptação neste novo corpo, conforme a sua predisposição e aceitação do mesmo ao meio social em que esta inserido. Este ser será redirecionado, ao convívio em que esta inserido, portando um corpo adaptado ou não, as lutas começam no inicio deste ser o qual nasceu com um corpo o qual não o reconhece, sendo que ira buscar uma adaptação e uma direção para ser recolocado neste novo cenário o qual o ser buscara os meios necessários para ser reinserido com o corpo já adaptado em um meio social. Existem trans, que se aceitam como são não dando nenhuma expressão para o meio em que convive, aceitando ou não o seu jeito de ser em um corpo que e reconhecido como politicamente correto por uma construção cultural, que ora foi implantada num sistema em uso desde os primórdios da humanidade, esta pessoa independentemente estando num corpo trans masculino ou feminino, seguira a sua vida de forma, que não dará nenhuma importância ao reconhecimento ou não por parte das pessoas próximas ou não, sendo que a sua vida seguira em uma rota, que esta pessoa seguira de forma retilínea e sem formas externas ou internas, porque ela se aceitara de uma forma que será reconhecida ou não por parentes, amigos, ou pessoas da mesma posição social ou cultural. Os dias se seguirão e darão um fluxo de vida real e verdadeira, apesar das imposições reais ou não. Outras pessoas trans, masculina ou feminina, apesar de se reconhecer como ter um corpo, que considera que não e seu. Buscam correções e apesar de um caminho longo a ser percorrido, no final, não dão continuidade a transformação de genitálias, por algum motivo interno ou externo, desistem de seus, talvez sonhos, ou mesmo, não sonhos, sendo que seguem suas vidas, com seus parceiros, que aceitam uma forma de opção, ou não, conforme a determinação, dos extremos, sendo que a colocação, será independentemente, por imposição, ou mesmo uma aceitação, individual ou coletiva. Outras pessoas, apesar de ter uma vida, aparentemente, normal, seguindo todos as determinantes, que ora, são impostas por uma sociedade em construção, sendo que, não se aceitam, ou buscam fazer esta correção, em um período posterior. Pois tendo uma vida em um corpo, deseja ser reinserido em um outro, ambiente, como um todo, sendo que esta vida, terá uma direção, talvez de total exclusão por parte, das pessoas, sendo que esta direção contraria, acontecerá por parte de familiares, colegas de trabalho, onde o caminho a ser percorrido, será totalmente, contrario, sendo que este corpo, não será aceito, por parte de outrem. Isto deixara esta pessoa, que terá que fazer uma mudança, total e inrestrita, dando um novo rumo a sua vida, neste novo corpo, que terá que vencer, não só os problemas, pós cirúrgicos, mas problemas de ordem geral e classificatória, trazendo um fator complicador, que será a imposição por parte de pessoas, de conhecimento anterior, que não aceitarão. Este mesmo ser, só que em outro corpo, sendo que esta construção, terá os seus caminhos a serem percorridos, e que tentarão ser vencidos, de uma forma lenta e gradual, através de uma linguagem local e regional, sendo que este controle, será feito, de uma forma classificatória e abrangente. Este ser, que precisará trilhar um caminho, ao qual todos terão, um repulsivo, todas as vezes que este novo corpo, vir em sua direção, este ser alcançará um nível ou desnível, quando em um abraço, ou simplesmente, um aperto de mão, esta linguagem trará uma exclusão de forma direta e indireta, onde as pessoas, buscarão uma forma incorreta de resolver, esta disparidade, e muitos sofrerão, de uma forma extravagante. Sendo que a linguagem, protege o corpo, conforme relato da autora. Que dirá que este ser, não se aceitando, ou por imposição de grupos ou indivíduos, sofrerá de uma forma grande. e direcional. Porque, já não se aceitando neste corpo, ainda terá que lutar, com uma pressão, que virá de fora, sendo que este ser, já terá uma forca, lutando, dentro de si. E com isto virá outra forca contraria a este segmento, que será, a linguagem. Um mundo em conflitos, e que este ser, terá um fator complicador, imposto pela linguagem local, direcional, e objetiva, que virá em sua direção, sendo que o mesmo já terá que administrar, uma pressão de forma gigantesca, que ora, flui, ou simplesmente, fica, num ponto de opressão, para este ser, que se encontra, em um corpo, o qual, o mesmo não, o reconhece. Outros grupos, os indivíduos, nem sequer buscam esta forma de correção, e vivem suas vidas de uma forma, em que são aceitos, pelo meio em que convivem, casais de trasn, que buscam uma direção, para seus caminhos, apesar das lutas e pressões contrarias, que são impostas em duas direções, em todos os momentos de suas vidas, onde estes casais, buscam um equilíbrio, na aliança, em que mantem, sendo eles casais trans, de ordem masculina, ou mesmo feminina, onde, estes casais, buscam um ponto de apoio, num corpo, por outro corpo, onde os mesmos, onde formam casais, e estes casais, se inter relacionam, de uma forma individual e coletiva, dentro desta família. Que buscarão um ponto de equilíbrio, apesar de todas as imposições e interpelações, que serão colocadas e recolocadas, à todo o instante. Muitos casais trans, de uma certa forma, buscam um ponto de correlação, de uma certa forma por uma imposição de uma sociedade em construção, que não da nada de contribuição, mas faz cobranças de ordem variadas, as vezes falando, por falar, sem base legal, simplesmente, por preconceito, ou descriminalização, onde, se busca colocar uma construção, que ora, foi implantada, por um sistema, que veio fazendo suas separações, em tempos passados, presentes, e talvez, futuros, de uma certa forma, foi feito um trabalho de base, onde foi construído, reconstruído, e com certeza, terá uma direção retilínea e talvez duradora. Que somente o tempo, trará as respostas. Sendo que o personagem Rita, ela fica, neutra, na posição da transformação, sendo que ela, se sente feliz e realizada, como está. A autora, coloca que este personagem, diz que não será rotulada, por causa de uma cirurgia. Independentemente, de pessoas próximas ou não. Rita diz que não fará nada para agradar ninguém. Que ela e feliz com o corpo que tem. e seguira sua vida. O terceiro personagem, que e um trans masculino, engravida, em seu corpo feminino, e fará o trabalho de pai, sendo assim este personagem, também seguira seu caminho, não lhes importando por imposições ou construções culturais, que foram passando do passado para o presente. Onde seguirão o seu caminho natural, mesmo com esta gravidez, porque o homem, culturalmente, não engravidam, e sim as mulheres, este casal de trasn. Causam uma recusa, mesmo por parte, dos casais em questão. Porque culturalmente, há uma recusa, no sentido do que foi construído desde os primórdios da humanidade, onde o certo e a mulher engravidar, ter filhos, cuidar, educar, cabendo ao homem, nesta construção, os trabalhos, externos, e a relação do sustento, sendo que o macho, traz o sustento, para os seus. A femea, participa de todo o processo estrutural e de formação. Neste caso do casal trans, que o homem engravida, quebra se esta sequencia, sendo imposta, por uma sequencia, contraria, a uma construção, onde foi, formado e reformulado, de uma forma, à qual, e politicamente, correta, e flui normalmente, nesta norma e neste procedimento, sendo que da forma do casal trasn, se quebra esta regra, não havendo norma e nem procedimento, por parte dos casais trasn, nesta construção, macho e femea, em questões culturais de formação e reformulação. Onde para a sociedade, em que considera esta sequencia incorreta, os que estão fora desta sequencia, serão excluídos, desta sociedade que ora, foi construída, com os méritos, do macho e da femea, mesmo que os casais trans, façam a transformação, serão excluídos, e não farão parte da sociedade, politicamente correta e pura. Talvez por isto, o segundo personagem, “Rita”, conforme relatos da autora, prefere, ficar de uma forma neutra, e seguir o seu caminho, mesmo que para a sociade politicamente correta, ela estará desemparada de todos os direitos e deveres, de uma sociedade, politicamente correta, onde Rita, diz, estou na minha, sou discreta, uso roupas normais, não coloridas e extravagantes. Sendo que o personagem. Deseja seguir, sua vida apenas, não se importando, com regras, diferentemente, do primeiro personagem, “Carolina”, que buscou seus direitos e seus deveres, em um ambiente, hostil e excludente, como no meio, militar, onde, o conta e a força e virilidade, o primeiro personagem, sofre, todos os tipos acepções, onde há claramente, o “não”, que fica explicito, a todo momento, conforme os relatos, da autora. O primeiro personagem, vai a luta, busca alargar seus horizontes, busca, o que lhe pertence, independentemente, de tudo e de todos. O que importa, e o seu objetivo. Não, tudo o que e contrario e contraditório, o personagem, demostra, uma força interior grande, apesar de uma grande força, exterior, onde o encontro destas duas forças, ficam claras e explicitas, onde a autora, coloca relatos de médicos, colegas de trabalho, em um outro momento. Dois extremos, em uma única vida, que se encontra, em um local, que não lhe pertence. Onde o primeiro, personagem, busca, o que lhe pertence, um direito, que e seu. Não esta querendo tirar nada de ninguém. Busca apenas, o que lhe pertence. O direito de ser feliz, a busca de uma realização, apesar de uma vida de medalhas, busca apenas, um porto seguro, um distanciamento de uma construção, de imposições, preconceitos, exclusões, o primeiro personagem, “Carolina”. Procura apenas, uma realização, um suporte, um reconhecimento, Ser Carolina. Da mesma forma, o segundo e terceiro personagem, “Rita”, “Hill”, buscam os mesmos objetivos, tem os mesmos sonhos, anseiam as mesmas coisas, apenas, em corpos diferentes, como personagens diferentes, mas sendo seres humanos, com direitos e deveres, como qualquer cidadão, em qualquer sociedade, e suas construções morais, sociais, culturais. Eles, tem apenas, sonhos, como qualquer, ser, mortal, direitos, deveres, respeito, paz, amor, dignidade, esperança, liberdade. E que viva a diversidade, em todos os segmentos.

Entre um dia e outro…

Como o Senhor descreve o inicio do Bairro Pedregal, juntamente com a Igreja Santo Antônio do Pedregal.
Quando o senhor Vilson, chegou no Bairro Pedregal que estava em processo de implantação, na década de 1980, tinha na localidade por volta de oito barracos, a área estava em processo de desocupação, ”Reintegração de posse pro Estado”, Nesse processo de reintegração de posse que já tramitava no meio publico, os moradores tinham pouco tempo e com o esforço de todos, houve, ajuda através de conhecimento do Vilson, e dedicação de todos os moradores da época, o senhor Vilson buscou ajuda junto a prefeitura, desta forma o setor de habitação, chegou a um consenso, para deixar os moradores no bairro pedregal, já existia um projeto para a construção da rodoviária e os moradores do quarta feira, (bairro alvorada), viriam para o bairro pedregal, o Senhor Vilson, fez um barraco de lona para morar, no futuro, bairro pedregal, sendo que houve por parte do setor de habitação da prefeitura, todo o processo de implantação do bairro pedregal, os moradores foram avisados para não fazerem investimentos de inicio, aguardar todo o processo de implantação do bairro, e logo em seguida, a prefeitura veio através dos setores de infraestrutura e demarcação de área, para delimitar os locais onde os moradores iriam se localizar, a implantação da igreja Santo Antônio do Pedregal, neste primeiro momento já houve uma primeira missa, juntamente com a implantação do Bairro Pedregal, a primeira missa teve “quarenta pessoas”, presentes, o Padre havia vindo da Cidade de Diamantino, “duzentos quilômetros de Cuiabá”, era uma comunidade em processo de implantação e sem recursos, o Padre trouxe ajuda da igreja são judas, no início dos trabalhos, os quais auxiliaram no processo de implantação com recursos e ajudas na forma de conduzir os trabalhos na Igreja Santo Antônio do Pedregal, nesta época não havia igreja ainda, as missas eram em frente a casa do Senhor Vilson, outras comunidades que ajudaram na condução dos trabalhos, foram a comunidade do Araes, onde trouxeram uma caixa de som e um aparelho de som que funcionava com doze pilhas grandes, através destes meios de comunicação, foram feitos os primeiros convites e missas na comunidade. Veio também o pessoal do Bairro Quarta Feira (Bairro Alvorada), para auxiliar nos trabalhos da igreja, nesta época o grupo de jovens não tinha nome, o senhor Vilson, trabalhava na UFMT, a Igreja, ainda continuava na casa do Senhor Vilson, com este aparelho de som fazia se a divulgação nos bairros da região, Araes, era um exemplo, a comunidade sem recursos, não tinham nenhuma forma de controle, sendo que os recursos eram mínimos, e os custos altos, principalmente com pilhar grande, em uma reunião de Bairro, houve uma doação de uma madeireira da região, e, receberam em doação a madeira para construção da igreja de madeira, sendo que a primeira Igreja era de lona preta, sem condições, gerais não tinham agua, nesta mesma época com toda essa luta, houve uma invasão e a construção da igreja que seria de tábua, teve que ser acelerada, o em função da invasão, O Padre, Juntamente com o Senhor Vilson escolheram o nome para a igreja. A festa do Padroeiro já foi feito no segundo ano da implantação da igreja Santo Antônio do Pedregal. Este nome foi escolhido pelo Sr. Vilson, sendo que não existia pro perto Padroeiro Santo Antônio. Com a escolha do padroeiro e o nome da igreja, que seria Santo Antônio do Pedregal, a primeira e a segunda, festa foram feitas no Centro Comunitário, a terceira festa já foi feita na igreja, sendo que as primeiras festas eram de apenas um dia. Os títulos eram de presidente, o senhor Vilson acreditava que o nome de presidente não estava de acordo com a humildade que temos que ter na igreja. O Senhor Vilson expôs a mudança deste titulo de presidente para coordenador. E foi aceito pela maioria dos que estavam presentes na assembleia, houve uma mudança em todas as igrejas, sendo que ficou coordenador. O controle era feito de uma forma simples, sendo feitas as anotações em papeis, o gasto maior era com pilhas grandes, para o aparelho de som, que usavam doze pilhas. Na sequencia veio, uma outra pessoa para ser coordenador dos trabalhos, e desta forma com o novo coordenador, houve a mudança de um dia para quatro dias. Conforme era em sua localidade, onde o mesmo morava, As festas eram feitas em finais de semanas, quinta feira, sexta feira e sábado. Dona Maria disse que houve uma mudança de 1985 para a trezena que seriam treze dias de festa na comunidade, a dezena, o santo visitava dez casas, na trezena, são treze dias de visitação nas casas da comunidade, dona Maria disse que e feito uma visita, as casas onde o santo vai permanecer o dia e a noite, e feito um ritual, falando do santo padroeiro, conta se a historia do santo, e, falado à palavra, as orações, as rezas, e o terço, onde e feito o histórico da vida de Santo Antônio, Conta se sua vida de humildade, apesar de ser de família nobre, todos os fieis, fazem este ritual de uma casa para outra e quando termina o ritual de todas as treze casas vão para a igreja, este ritual e seguido por todas as pessoas do Bairro Pedregal, e são de trezentas e quatrocentos pessoas, quando o santo retorna para a igreja, e feito a missa e no domingo um almoço, e na noite do domingo e feito o encerramento da festa de Santo Antônio do Pedregal. As festas da Igreja sempre foram culpadas, pelos problema de bebidas, sendo que as pessoas bebiam em outros lugares e traziam problemas para a festa da Igreja, e uma certa época foi proibido a venda de bebidas alcoólicas, depois da proibição o faturamento caiu, e os problemas continuaram, e em seguida O Padre liberou a venda de bebidas novamente, para tentar resolver o problema. Senhor Vilson foi convidado a assumir a coordenação novamente da Igreja, mas o Senhor Vilson disse que assumiria para fazer a igreja de Material, o Bispo veio na casa de Senhor Vilson, e o Bispo solicitou uma verba da Alemanha para a construção da Igreja Santo Antônio do Pedregal, sendo que seria de Mateiral, após, noventa dias, o Bispo, veio novamente, na casa, do Senhor Vilson, e disse que teria vindo verba somente para construção da igreja e não para mão de obra, o Bispo disse que se não fosse feito a Igreja de Santo Antônio do Pedregal, naquele local, no Pedregal, o recurso iria para uma Igreja no Bairro Santa Rosa, o Senhor Vilson disse que se verba teria vindo para a Igreja de Santo Antônio do Pedregal, seria construída a Igreja no Bairro Pedregal, ficou acertado e no dia marcado tinham mais ou menos quarenta pessoas o material começou a chegar um caminhão de areia, vinte sacos de cimento, e começaram a fizer a edificação, quando o Senhor Vilson, entregou sua gestão como coordenador, Todas as partes de construção edificada, faltando, apenas à, parte de acabamento. A imagem de Santo Antônio veio de um terreiro no Bairro Araes, foi doado para a igreja, segundo o doador a imagem estava danificada, e precisava de uma restauração, o Senhor Vilson conversou com uma restauradora que trabalhava na UFMT, a restauradora disse que fazia o serviço mais precisava do material e desta forma o Senhor Vilson conseguiu o material, o Senhor Vilson, foi buscar a imagem juntamente com o seu cunhado, e trouxeram a imagem de Santo Antônio, que precisava ser restaurada, a imagem, pesava mais ou menos sessenta quilos, trouxeram a imagem na parte da noite, e posteriormente levaram a imagem para a restauradora da UFMT em sua casa; a restauradora morava no bairro lixeira, próximo a subprefeitura, “nos dias de hoje” alguns dias depois a restauradora avisou o Senhor Vilson e ele foi buscar a imagem, do Bairro Lixeira, e foi feita a consagração na Igreja Santo Antônio do Pedregal. Esta imagem fica na parte superior em frete à Igreja Santo Antônio do Pedregal. Um problema da construção da Igreja Santo Antônio do Pedregal, foi um dos muros, que já caiu algumas vezes necessitando ser refeito, a Igreja Santo Antônio do Pedregal, em sua implantação inicial, era pra ser Paroquia, teria até o local de morada do Padre. O que não aconteceu posteriormente, devido ter uma Paroquia nas proximidades, do Bairro Santo Antônio do Pedregal. Senhor Vilson tem 76anos e dona Maria 66. Os jovens da igreja são Judas Tadeu, vinham ajudar o grupo de Jovens, que nesta época não tinha nome, tinham os jovens que se reuniam com Jovens que vinham de outros Bairros, como do Bairro Araes, Bairro Quarta Feira, (Bairro Alvorada), entre outros bairros, que já eram implantados nesta época, hoje o grupo de jovens, chama se “Cantinho do Amanhã” e composto atualmente por trinta membros todos da comunidade, do Bairro Pedregal. Felipe, um jovem de quinze anos, que participa pela primeira vez, sendo um dos membros de apoio do grupo, as reuniões ocorrem no primeiro e terceiro domingo de cada mês, horário as 17:30- horas. Dona Maria da Penha, apesar de fazer parte da comissão, onde são feitos os sorteios, para que nos treze dias de festas do Padroeiro da comunidade, onde são sorteadas, apenas treze casas, que tem o privilegio de Santo Antônio do Pedregal, permanecer em sua humilde morada, Dona Maria, afirma que nunca teve esta graça do Santo Antônio, ficar em sua residência, Elenice, outra moradora antiga do bairro, participa dos festejos de Santo Antônio, a quatro anos, já colocou seu nome por três anos, e não teve o privilegio do santo ficar em sua residência, Elenice diz que continua confiante, e que em breve, Santo Antônio, ficará em sua residência. Dona Maria da Penha, e uma das benzedeiras antigas da comunidade, Dona Maria, afirma que a maioria da comunidade ajuda nos preparativos da festa de Santo Antônio, e que as pessoas que são sorteadas, também ajudam da forma que podem contribuir para o bom andamento das festas de Santo Antônio do Pedregal. Na festa do ano de 2018, Santo Antônio, saiu da Igreja de Santo Antônio do Pedregal, no mês de Maio, O mastro foi levantado no mês de Maio de 2018, e Santo Antônio, foi para a primeira casa da comunidade de Santo Antônio do Pedregal. Após percorrer as treze casas da comunidade do Bairro Pedregal, Santo Antônio, retorna para a Igreja. E começam os preparativos para a finalização do festejo, com a finalização do ritual, Santo Antônio, retorna para o seu lugar, onde permanecera, até o próximo ano, quando começará, todos os preparativos para o ano vigente, onde acontecera todo o ritual, os quais a maioria dos moradores da comunidade já conhecem, aprovam e participam, deixando o legado dos velhos moradores do Bairro Santo Antônio do Pedregal, para os novos moradores, que darão prosseguimento à memória, trazendo sempre as lembranças das festas passadas e suas historias, sendo que em cada ano, apesar de fazerem as mesma coisas, mais as historias são diferentes, com moradores diferentes, apesar de estarem todos na mesma comunidade. A cultura que permanece e passa de uma geração para outra, conforme relata (DFS), que mora no Bairro Santo Antônio do Pedregal, e que fala da festa de Santo Antônio do Pedregal, com grande conhecimento, apesar de morar no Bairro Pedregal, a dois anos, fala também de uma mina d´água, que existia na divisa do Bairro Pedregal, com um condomínio de luxo, que existe a poucos anos, e faz divisa com o Bairro Pedregal, onde a separação e feita por uma grande avenida de mãos duplas nos dois sentidos, mais o Morador (DFS), fala com conhecimento de causa, sendo que os moradores mais antigos, foram multiplicando as informações, diz, (DFS), também conhecer o Sr. Vilson e Dona Maria, e conhece parte da historia dessas duas personalidades, (DFS), ficou conhecendo toda a historia do bairro e da igreja, através de seus vizinhos, que foram contando fragmentos da historia de formação do bairro e da igreja, para os moradores mais antigos do Bairro Pedregal, que fizeram a historia do Bairro e da Igreja Santo Antônio do Pedregal, suas memórias serão sempre vivificadas, por muitos anos, sendo que serão multiplicados, à historia, por gerações e gerações. Mantendo o histórico de formação, em sua forma original, podendo haver algumas alterações, talvez de atores, mais a historia real em si, permanecerá por muitos dias. Por décadas e séculos, muitas historias atravessaram países e continentes, foram contadas por duas ou dez gerações, trazendo sempre a memória dos que participaram da formação, numa época futura, as memórias foram passando de geração em geração, onde não foram esquecidos, e sempre lembrados, no presente e no futuro. Apenas para que os moradores do futura, não se sintam agradecidos por lutas passadas, as quais não participaram, mas simplesmente, para que respeitem a memoria, o suor, e a luta, estando eles no futuro, reconheçam com humildade, que para se chegar onde esta, não foi simplesmente chegar, houve um histórico, não do individual, mais do coletivo. Os quais fizeram a sua parte, “como afirma o Sr. Vilson” fiz o que tinha que fazer.

O homem que mata, o homem de chora, o homem que ri.

Como entender a mente deste animal racional, sendo que os animais a maioria vivem em harmonia, se protegendo uns aos outros. Não matam senão por necessidades alimentares, ou por proteger os seus, que normalmente são pequenos e indefesos. Como entender este tal animal racional, que mata, rouba, queima, tira, desagrega, praticam todas os atos de maldades, crueldades, tudo o que não presta, tudo o que e mau, sendo que esteja no campo da vantagem para alguém, e no campo da desvantagem pro outro, sendo irmão de sangue ou não lhe e tirado o que pertence, ao outro, em beneficio de alguém. O ser humano, em sua maldade infinita, sem parâmetros, sem dignidade, sem perdão, sem misericórdia, o homem quando e para praticar atos de maldade, vandalismo, mentiras, e todas as mazelas que lhes são habituais e de todo dia, de toda hora, de todo o segundo, os seus pés se apressam. Contrariamente, quando e para praticar algum ato de beneficio ao seu semelhante, irmão, necessitado, os pés não dão nenhum passo. Como e imprestável o homem, no seu todo, sem nenhum credito ou atos que lhes abone. Todos mesquinhos e egoístas, praticadores de todos os atos desumanos e maus, sendo que os mesmos se perderam no decurso do percurso. Raças de víboras, que praticam todos os atos impróprios, de uns para os outros. Previcadores, insanos, quando lhes e necessário, fazer algum beneficio para o seu semelhante. Homens maus, alicerçados no contrario, do que e ser um amigo, ou protetor, sendo que só agem no campo da destruição. Se e para matar, matam. Se e para roubar, roubam. Se e para chorar, riem. Que maldade entranhada em seus alicerçados na sua formação, em todo o ser. Meus dos produtos em formação, e não no meio. Agindo na contramão de tudo e de todos. Procurando o que e errado, seguindo na escuridão, mesmo na luz, permanece em trevas, sendo que todas as suas obras, são más. Não se acha nenhum til, de alguma coisa, à qual, alguém, possa dizer um “A”, em favor, ou para defender, este tal animal, “racional”, como proceder, como se dirigir, como entender, como seguir, como… homem mau, e sem misericórdia, mesquinho e egoísta, se for para tirar a única camisa, à qual o mendigo, tenha. Os pés do tal animal racional. Se apressam. Quando e para agir na contramão de tudo. Correm como uma lebre em fuga. Quando e para doar algo. Os seus pés e passos, andam como “Tortugas”. O que fazer, como entender. Ou não entender. Para onde seguir, ou não seguir. Parar, tentar reconstruir, tudo, desde o começo. Parar, na bifurcação da estrada. Tentar dar um trezentos e sessenta graus, em direção à algum lugar, ou mesmo tentar retornar, para lugar, à alguma direção. Como proceder, o que fazer ou como fazer. Como o homem e mau. Faz tudo contrariamente, a ética, a ordem, a decência. O animal racional, precisa aprender, como os animais irracionais. Pois se os mesmos praticassem “um quarto”, dos benefícios em prol, da família, do lar, da ordem, da decência, os quais os animais irracionais praticam, os animais racionais, subiriam um degrau, em seus atos praticados, no seu dia a dia. E aprenderiam muito mas, com os animais irracionais. Pois eles merecem o respeito de todos os seres humanos, que são maus, egoístas, desumanos, e sem valor nenhum, diferentemente, os animais irracionais, merecem toda a dignidade, pois são os exemplos de todos os animais existentes. Sendo que são excluídos, e bem verdade que quem deveriam serem excluídos; são os que roubam, matam, prostituem, e praticam todos os atos de libertinagem, pois estes praticam o que lhes habitual, pois esta em conformidade com à sua maldade, e esta na rota de toda a construção de aprendizado, que lhes e imposta desde os primórdios, de toda a civilização dos tais seres. Sendo que em toda a sua trajetória, e a historia mostra com dados reais e exato, através da historia, atos de extrema maldade, corrupção, e de todos os tipos de malefícios, os quais foram praticados pelos tais animais racionais, ceifando a vida inclusive, dos bravos e honestos, animais irracionais. Como entender, como proceder, ou não entender, e não proceder. Mais à nos simples mortais. Devemos deixar o nosso repudio, à todos os animais racionais. E o nosso grande respeito, à todos os animais, irracionais. Vamos avante, e que aprendamos, com os animais irracionais, à sermos, mais humanos, e que tenhamos, respeito e amor, pelo o nosso próximo, que não subtraiamos, nada do que não nos pertence, e que todos os poderes desta nação, sofra um trezentos e sessenta graus, sendo que em todas as esferas, e em todos os cargos, que sejam, ou passe por uma grande substituição: que se coloquem nesses locais, ou substituam, todos os cargos em todas as esferas desta nação, por animais irracionais.

Tudo o que vem fácil! Vai fácil…

As construções do capitalismo, São, astuciosamente, trabalhadas em prol de um grupo sem precedentes, para almejar os seus objetivos. Não se importando com quem estará em seu caminho, o objetivo principal e proteger os que os rodeiam, tornar tudo privado, e o que os tais lutam desde os primórdios, “de la humanita”, com o privado em escala global, todos ficarão privados de seus bens básicos, havendo ai um grande bloco de separação com os que podem e os que não podem. Uma exclusão a níveis globais, tornando os mais poderosos mais poderosos, e mais miseráveis, ainda mais miseráveis. Isto e o que o homem almeja desde o principio, ser um deus, sobre tudo e todos, tendo todos os demais, aos seus pés, para lhe servir, à cada segundo do dia, que amor, pelo o próximo. Os grande grupos e as mega corporações, agem silenciosamente, para tornar o globo em um espaço de pobres e miseráveis, não consigo entender onde querem chegar os donos do mega capital, sendo que já tem mais do triplo do suficiente, que ganancia desenfreada e essa! Quando chegar a hora de descerem para as partes inferiores, e se juntar com os demais, não levarão nada. Além de uma cobertura de terra, mesmo que seja mais requintada, do que os demais, os simples mortais. Como entender o ser humano, e principalmente o homem. Este mesmo homem que veio à este sistema, da mesma forma que os demais, não lhes impondo um caminho especial, para alguém ou mesmo que seja o filhinhos da mamãe, então como entender o homem, estão todos sujeitos ao mesmo julgamento, passarão todos os homens pelos mesmos caminhos, o que tem um, e que tem menos um. Qual o segredo de tamanha disparidade entre estes seres, que partiram todos do mesmo principio, e terminarão na mesma estrada, uns com algum credito, outros com débitos, mais todos deverão passar pelo crivo, o acerto. Sendo o filhinhos da mamãe ou não. Tentaremos entender o que faz um homem querer ser superior ao outro sendo que todos são iguais, mesmo com numerários ou não. Esperemos que um dia todos os homens que são iguais, se tornem também iguais em seus objetivos, respeitando uns aos outros, mesmos os que, não tem nada, sejam tratados de igual teor e forma dos que pensam que tem, sendo que o que tem. e o dono de ontem, hoje e amanhã; ninguém que vivem poucos dias, e dono de nada, esta apenas cuidando e muitos de uma forma muito desumana e cruel, o tal esta plantando uma semente de péssima qualidade, sendo que o mesmo ira colher em um tempo bem curto de horas. (Tolo o que tu tem para quem será!), como permanecer neutro em um sistema cruel e perigoso, os que tem uma fraqueza dominada por um ser que escraviza os dias atoais, sofrerão, um pouco mais, por um determinado e interminável tempo. Sendo que o que busca e como o vento, jamais poderá ser alcançado. Portanto cabe a nos lutar por dias melhores para o coletivo, sendo que o individual, bem o individual, ficara para vermos pelo retrovisor, aos quais quiserem conferir, sendo que o nosso objetivo e rumo norte, e sempre seguindo a frente. Buscando recompensa, onde jamais nos será tirada, sendo que o que nos dará e o verdadeiro dono de tudo e todos. Portanto busquemos o que ninguém poderá nos tirar, e os nossos bens jamais serão subtraídos ou esquecidos. Sendo que serão verdadeiros e para sempre. Sim! Para todo o sempre. Um espaço de tempo onde não poderá ser contado. Pois haverá inicio, e não haverá fim. Sendo que teremos apenas inicio, e não fim, como os que buscam apenas o que não nos importa. Vamos correr atrás das coisas que realmente valam a pena, de buscar, não perderemos tempo com coisas e um sistema, onde esta totalmente, indo na direção contraria da direção correta de todo ser. Não percamos tempo com os dias atoais, nem com seus dirigentes, sendo que não somos daqui, e estamos aqui de passagem. Vamos buscar as coisas do alto. E seguir na direção do correto e do puro. Vamos avante, rumo à um lugar onde não haverá outro igual, pois não terá replica, ou copia. Sigamos nesta direção com a força do que nos reparou das nossas falhas. E esta nos aguardando. Para viver o verdadeiro, o correto, o puro, o certo. Vamos ao rumo norte, onde seremos grandes vencedores.

Povo brasiliano; Acertem o alvo? Nos próximos dias!

Os erros do passado, nós custaram e custam muito caros, estamos trabalhando, para pagar contas, não nossas, não de nosso filhos, não de nossos netos e não e de nossos bisnetos. Portando e hora de acabar com a festa dos tais. Precisamos nos unir, conversarmos mais, vamos trocar informações, mesmo, com leigos ou indoutas, ou mesmo, graduados, e que falem a língua do nosso país, que queira o bem da nação e de seus filhos, que cumpram com suas obrigações, com direitos, deveres, que sejam honestos trabalhadores, e que também acertem o alvo. Sendo que não podemos errar, não nos damos mais ao luxo, do erro, estamos sendo tratados pelo mundo com ineficazes e loucos, sendo que somos defraudados em todos os segmentos do estado, uma nação que vivência toda à maldade das classes, as quais deveriam proteger e dar exemplos, à nós simples mortais, precisamos dar uma basta, neste estado de demência em que vive o nosso país, precisamos impor as regras, sendo que não existem mais, ou o povo vence o estado de maldade, que hora se instaurou pelos últimos trinta anos, ou seremos vencidos pela ineficiência e jamais, retornaremos à pátria amada e idolatrada, Brasil, vivemos de sonhos, e precisamos acordar urgente, destes sonhos, ou jamais, retornaremos, vamos brava gente, brasileira, que nos unamos em prol, da nação, que sigamos os exemplos dos verdadeiros, brasilianos, os caminhoneiros, que demonstraram, força, respeito, união, bravura, e heroísmo, sendo os verdadeiros, detentores do respeito de todos os brasileiros, vamos avante, que com a nossa união e integração, venceremos o mal, que se instaurou, em nosso belo país, a hora esta chegando, a vitória e nossa, não se deixem levar pelas velhas raposas, se o povo brasileiro, não se unir e não der uma resposta aos ineptos de todos os poderes, nossos filhos e netos, não terão futuro. E o culpado, seremos nós que não fizemos nada para deter o avanço do mal, em todas as unidades de federação de nosso belo país. Vamos mostrar para a ineficiência, que o bem triunfara, e que nossos filhos e netos, terão um futuro, juntamente com o nosso belo país. Lutemos para que a razão vença a loucura, sendo que o estado atual, de todas as unidades de federação e o distrito federal, são de total mazela, impostas pela regressão e ineficiência. Se cruzarmos os braços e não mudarmos o estado atual, nossa sequência, voltara a um estado de regressão, sem precedentes. O estado de colônia saltara para a monocultura de cana de açúcar e engenhos, onde a casa grande, distanciara cada vez mais, trazendo um estado de regressão de mais de quinhentos anos. Não temos tempo povo brasileiro, nossa pátria sangra, as ultimas gotas de sangue. Nosso dever, como filhos, e salva lá. Vamos a luta, pelo nosso país, pela nossa família e principalmente, pelos nossos filhos. Nós venceremos com as armas da verdade, da bravura, do amor, do respeito, não precisamos das armas desta classe detestável e imoral. Que usa todos os atributos do mal, sendo que isto lhes e habitual, e desta forma, mostra quem realmente são todos os quais, que subtraíram dos poderes da nação e do país, precisamos nos unir e trazer de volta, para casa o que nos pertence. Somente um povo unido, e se protegendo uns aos outros, jamais serão vencidos, por palavras vazias e sem rumo, mesmo um povo leigo, precisa ser inteligente, sabedoria e inteligência, tomam rumos diferentes, aos que se vendem, que sejam deixados de lado, com os seus algozes e que a maldade dos tais, se unam em mazelas, para todos os que estão hermanados, contra o povo, o qual e detentor do direito de fato, homens e mulheres, simples, honestos, trabalhadores e cumpridores de seus direitos e deveres, e os quais, mesmo preenchendo os requisitos, a carta magna do país, não os protegem, sendo que os mesmos ficam a mercê, de uma classe, má, e sem escrúpulos, fazendo todos os seus interligamentos, para se defenderem, mesmo que com mentiras e coisas de baixo calão, sendo que isto que lhes e impostos, sendo que são o que lhes e habitual e rotineiro, para todos os que detém, à força, o poder que não lhes pertence. Portanto, a hora, chegou, vamos a luta, buscar o que nos pertence. Só assim protegeremos o nosso país, e o futuro, de nossos filhos e netos.

E gol! Que gol? Onde! Na saúde, na educação, na segurança…

Que tristeza meu Brasil, brasileiro, teus filhos trocam direito e dever, por nada, simplesmente. “Uma pelada” enquanto tu sagras, enquanto tu, e desprovido de tudo, por todos os poderes corruptos desta nação. O povo! Ah? O povo. Permanecem, meio dia, ou o dia todo, com os copos nas mãos, e com seus olhares fixos, para uma tela. Onde vinte e dois alienados, ricos e milionários, à serviço dos interesses de políticos e mega empreendimentos, empresas como a CBF, sendo que os interesses, são único e exclusivamente com o capital especulativo e selvagem. Com três dirigentes, ficam correndo de um lado para outro de um retângulo. O que esperar de um povo que não busca seus direitos em tempos de guerras, onde os corruptos e corruptores, ficam na zona de conforto, para fazerem suas maldades, e equacionar os seus problemas, e de seus aliados, o que lhes é habitual, desde sua infância. Este povo desconhecem à sutileza e atos feitos na escuridão da noite pelos poderes, que estão entrelaçados e interligados, em, buscar proteção, para todos os que fazem parte, do quadrado? Este povo bom e ordeiro, que desconhece, até, o direito de ir, à posto de atendimento, ao qual ele já paga caro, para manter todo o sistema funcionando, e chegando lá, encontra um atendente, mal humorado, um médico, com um grau de irresponsabilidade, de alto grau, se esqueceu do juramento que fez, um dia! Um sistema sucateado, pela ineficácia e ineficiência de todos os poderes, alienados, irresponsáveis, corruptos, corruptores, até quando este povo bom e ordeiro, irá suportar, tal incompetência, deslealdade, maldade, frieza, inconsistência, deturpação, alienação, jogo de interesses, de todos os políticos, de todos os empresários, de todos os industrias, de todos os grupos do agronegócio, de todos os poderes, todos, hermanados, juntos, irmanados, interligados, com suas alianças, unidos pelo bem dos mesmos. Os quais destruíram a nação, os direitos, os sonhos, as realizações, mataram à “CLT”, criaram a CLE, “Consolidação das leis dos empresários”, fica aqui uma pergunta, “foi gol”, vamos voltar, fica aqui uma pergunta. “Quando será que este povo, vai acordar deste estado de anestesia profunda”. Como proceder, com tanta irresponsabilidade no governo federal, com tanta irresponsabilidade no judiciário, com tanta irresponsabilidade na câmara dos deputados, com tanta irresponsabilidade no senado federal. “foi gol”, vamos voltar aqui. Para onde vai este povo, e como vai. Ou não vai. Ou já foi… “foi gol” e agora José. Como proceder com este povo. Onde o Brasil errou para merecer tal gente, “na base, no centro e na parte superior da pirâmide” como reverter tal processo. Vamos ajudar o Brasil, a fazer uma regressão até mil e quinhentos, quem sabe, desta vez o Brasil, terá mais sorte. Precisamos enviar todos os que estão ai… O Brasil, não merece tal gente. “foi gol” Todos nós os verdadeiros brasilianos, precisamos fazer uma reflexão, e canalizarmos todos os esforços, para a verdadeira mudança neste belo, país. Precisamos de uma grande injeção, em todos os brasilianos, para que voltem novamente, para o Brasil, “Não para empresa CBF”, “FOI GOL”, vamos voltar aqui. Não aos ricos e detestáveis jogadores, que nos custam muito caro! E não nos trazem nenhum retorno ou beneficio, já pagamos muito para manter uma máquina, ineficaz e irresponsável, O povo brasileiro, precisa reaver à sua pátria. Precisamos ter um lugar para chamar de nosso. Vamos jogar fora todos os poderes, sem exceção, estão todos podres, arcaicos e ultrapassados, em todos os seus atos e procedimentos. Dali não se aproveita nada! Pode jogar tudo no lugar mais profundo do mar. Esta na hora do povo reaver o que se havia perdido, para à maldade, a ineficiência, o estado de degradação total de uma nação. Este ano de 2018 “dois mil e dezoito”, será um bom inicio. Para este belo país, começar a andar novamente, voltar aos trilhos, chega de velhos ultrapassados, ineficazes e irresponsáveis, em todos os seus atos de regressão, no comando deste belo país, “foi gol”, vamos voltar aqui. Temos uma força jovem, competente, criativa, sadia, forte, trabalhadora, honesta, patriota, que vem emergindo, de todos os cantos deste belo país. Somente estes jovens, são capazes de tirar o Brasil, deste mar de lama, o qual se encontra. Vamos manter a nossa guarda em posição de defesa, para mantermos os jovens numa posição de destaque, sendo que eles terão muitos impedimentos, por parte de tudo o que e contrario, neste belo país, os tais retardados e as velhas raposas, que estão ai caindo na cova, e indo para as partes inferiores, e não dão oportunidades para a verdadeira força que este belo país, necessita. Vamos avante, Brasil brasileiro, com a sua força jovem. Para que você seja um grande vencedor. E que todo o atraso e regressão que todos os poderes, tem te deixado, nas ultimas décadas, fiquem no esquecimento, como todas essas raposas velhas, de todos os poderes. Sem exceção.

Juventude, juventude; o que o sistema fez com vocês?

Passando por uma destas rodovias federais deste belo país, perto de uma das capitais, de uma unidade de federação, vi uma placa do álcool, abaixo do media geral de preços impostos pelo sistema corrupto e irresponsável deste belo país. Parei, e como todos nos vivenciamos dias de extrema incompetência gerencial, administrativa, pública e privada, de todos os poderes e corporações, desta nação. Como tinha combustível no tanque, resolvi, colocar dez litros de álcool, parei no local de abastecimento, não lembro a bandeira, veio um profissional de atendimento, e pediu se era para completar o tanque de combustível, disse não! Por gentileza coloque dez litros de combustível, como na placa que indicava o preço unitário do litro de álcool. Era, “R$=2,50 reais/litro”. O profissional de atendimento, digitou a quantidade de combustível, e começou a colocar o álcool no tanque, pensei, enquanto ele vai abastecendo, vou finalizar o processo, pagando pela quantidade abastecida, R$25,00, “vinte e cinco reais”, assim quando ele terminar, sigo meu caminho, nesta estrada esburacada deste belo país, onde todos os impostos pagos, tem uma único caminho. “A Corrupção”, pedi pro profissional de abastecimento, enquanto o senhor vai terminando de abastecer, faça o recibo da quantidade por favor, que vou acertar no caixa do posto. O profissional de abastecimento disse; vamos esperar terminar, para que eu pegue o valor na bomba e passe pro senhor ir fazer o pagamento no caixa do posto. Olhei para ele com um olhar de espanto e preocupação, perguntei lhe; você esta brincando ou esta falando serio; ele disse serio! Neste momento começamos um dialogo; Perguntei quantos anos você tem meu jovem, ele disse, dezenove anos, perguntei, você estuda, estudou até que série, ou ano, ele disse, até o terceiro ano do segundo grau. Perguntei, do segundo grau, ele disse, sim? Perguntei pra ele se poderia fazer uma pergunte! Ele afirmou com a cabeça que sim? Perguntei; quanto são 1, vezes 10, ele olhou para mim, e disse, “acho que são dez”, não tenho certeza. Eu disse para ele, se 1 vez dez, são dez. quanto são dois e cinquenta, vezes dez. ele, olhou para mim, com aquele olhar de, me ajuda ai, tio, como normalmente os jovens se direcionam, à alguém, quando estão todos cheios de dúvidas. Eu disse, você sabe que todo numero multiplicado por um, ele e mais fácil de fazer a equação, portanto, dois e cinquenta, vezes dez, “são vinte e cinco reais”. Ele ainda ficou meio inseguro, neste momento terminamos de fazer o processo de abastecimento, ou seja, de colocar o liquido no tanque, o qual já estava com combustível, ele olhou para o marcador da bomba de combustível, e disse, com um ar de duvida, e verdade! Aqui esta marcando vinte e cinco reais. Ele fez o recibo, me dirigi para o caixa, e finalizei o processo. Sendo que já estava com o liquido no tanque e fiz o pagamento no caixa do posto. Retornei do pagamento, chequei perto do mesmo “o profissional de abastecimento”, e mostrei para ele o recibo de pagamento da maquina de cartão de credito, e me dirigi para o veiculo. Ele veio em minha direção, e me perguntou? o senhor e professor! Eu, disse não! Atuo, em outra área. Falei lhe do ENEM, “Exame Nacional de Ensino Médio” procure nas horas ociosas, no celular ou computador se informar como proceder, existem vários caminhos, pesquise, você tem uma ferramenta importante nas mãos, Me despedi dele, entrei no carro e fui saindo em direção a rodovia esburacada, à qual todos os impostos que nós pagamos, neste belo país, tem um único caminho. “ A Corrupção”, olhei pelo retrovisor, e verifiquei, que ele se sentou em um banco, e pegou o celular e começou a fazer alguns movimentos, fiquei em duvidas, quanto ao procedimento, e comecei, um monologo, comigo, naquela rodovia esburacada. Eu disse a mim mesmo, naquele celular, qual e o procedimento deste jovem, o qual o sistema o transformou em um alienado, sem cérebro, sem futuro e sem perspectiva futura, sendo que ele deve estar utilizando o watts zap, ou facebook, ou outro aplicativo, o qual não acrescenta nada ao seu conhecimento, transformando o, em um jovem sem perspectiva de futuro, não contribuindo para o seu crescimento profissional, cultural, familiar, religioso, enfim, este profissional de abastecimento, o que será dele, amanha? Sendo que com a evolução, todos o sistema tem com meta automatizar e tornar o todo o processo menos humano, e os humanos devem ter total conhecimento de parte de todo o processo, sendo que este trabalhador, devera ser polivalente, se encaixando em todos os setores e departamentos do empreendimento, sendo que este profissional não foi dado nenhuma oportunidade de crescimento e atualização deste ser que devera ter uma vida útil de vinte ou trinta anos, contribuindo, para o andamento do processo empresarial, administrativo, agronegócios, industrial, naval, aéreo, enfim em todo o pacote do capitalismo, que impõe regras, mas não faz por merecer, sendo que o objetivo do capitalismo, e somente lucros e lucros, penso em todos estes profissionais de abastecimentos e outras áreas, as quais se encaixam estes profissionais, que não conseguiram as oportunidades, que outros conseguiram, e estão de uma forma desigual, fora do mercado de trabalho futuro, ao qual não formou nem deu nenhuma contribuição, mas quer um profissional bem treinado, preparado, e apto para exercer todas as funções necessárias ao bom andamento do processo total do capitalismo, sem o mesmo ter gastado um centavo, para equacionar este problema de formação e atualização profissional, de um modo geral. O Estado por outro lado, está preocupado, apenas com o lucro, não lhes importando, de maneira nenhuma com as consequências futuras, desta classe de cidadãos, os quais estão fora do mercado de trabalho, em um futuro próximo, neste país. O que fazer e como fazer, porque fazer. Sendo que uma grande parcela da sociedade excluída pelo sistema, será em breve excluída pela iniciativa privada local e externa. Triste ver um país abandonado, com os seus excluídos e abandonados, por um sistema corrupto, ineficaz, inepto, arcaico, ultrapassado e terrivelmente alienado, aos interesses do capital especulativo, local e externo. O que devemos fazer e como fazer, sendo que o estado mínimo, não tem a menor preocupação com a formação em todos os segmentos da sociedade, não se importando com o bem do país de seus cidadãos, sendo que e bem melhor, governar para: cegos, surdos e mudos, do que ter cidadãos que pensem e protestem, que saibam de seus direitos e deveres, e também saibam interpretar a constituição, o código civil, código penal, e todas as cartas que lhes darão respaldo, frete a ineficácia e conceitos ultrapassados por partes de todos os poderes deste belo país. Então o que fazer e como fazer, para reverter este quadro caótico e sem futuro. Que cidadãos estão sendo formados para dar prosseguimento ao estado de regressão dos últimos trinta anos, o que estamos deixando para os futuros governantes deste belo país. E como estamos deixando. Simplesmente, um quadro preocupante, ao qual avançamos poucos passos, logo após a libertação, “entre aspas”, dos escravos. Estamos a poucos metros de 1888. Isto faz que minha memoria, traga do passado uma frase de um grande homem. “O governo da demagogia não passa disso: o governo do medo.”
RUY BARBOSA.

Uns lutam pelo bem de todos, outros entregam todos os direitos que tem, em prol de nada!

Assim caminha a humanidade, os equilibrados e os desiquilibrados, o povo não sabe o poder que tem, jamais houve um movimento com tamanho impacto em todos os setores da sociedade, o poder esta com o povo, não com meia dúzia de incompetentes e corruptos. Todos os poderes estão sem ordem e sem direção, portanto já e passada a hora do povo tomar o que e seu, como os caminhoneiros querem, o comando. Sendo que eles sempre estão no comando de seus caminhões, eles estão no comando de norte a sul e de leste a oeste, deste belo país. Portando o povo precisa rever o que lhes pertence, o direito de ir e vir, o direito do direito, tomar conta do barco que esta a deriva, sem comando, sem direção, sem nada. Um país a mercê dos interesses dos poderosos e capitalistas das Américas e da Europa. Ou os brasileiros, tomam conta do que lhes pertence, ou em breve período de tempo, não terão nada! Nem direito, nem dever, nem país. Portanto lhes será tirado tudo o que possuem. Sendo que todos os poderes, corrompidos e alienados, à eles só importam seus interesses e nada mais. Acorda Brasil. À nós brasileiros, que trabalhamos e amamos este país. Diferentemente de todos os poderes, precisamos tomar urgentemente as rédeas do mesmo, se quisermos que nossos filhos tenham pátria, sendo que por um pouco de tempo ainda temos, num futuro próximo não terão. Exemplos de ante tudo, todos os dias temos em nosso país, velhos que deveriam dar exemplos, e não dão, somente engrossam o caldo do que e errado, velhos que deveriam temer, sendo que já estão as portas da cova, mas mesmo assim continuam numa maldade desenfreada, parecem que correm pro abismo, os passo se apressam para praticar o mal a iniquidade, tudo o que errado, aos mesmos nenhum deles merecem credito, o que devermos fazer diariamente com todos os corruptos e corruptores, e lhes mostrar que enxergamos seus atos, e precisamos expurga-los do nosso meio. Sendo que somos cidadãos de bem e gente trabalhadora, não precisamos dos tais para nada. Sempre sobrevivemos sem os mesmos, portanto povo brasileiro, e hora do adeus, a todos os ante brasileiros que ora, se infiltraram em nosso meio, que façamos já, antes que seja tarde. Somos gente honesta e correta, não e por nossa imagem que o Brasil, sofre escárnio no exterior e sim pelos poderes corrompidos deste belo país. Que não merece à péssima classe politica, à qual lhe foi apresentada, precisamos honra o nosso país, nossa pátria, nosso lar, estes tais, que ai estão, fazem de tudo para sujar todo o processo, sendo que deles somente sai, tudo o que e improprio e inconsumível, a degeneração total de um ser, esta implantado nos tais, de todos os poderes, tudo o que e de sujeira e podridão, esta em seu meio e no meio. Portanto povo brasileiro, não se afronte com tudo o que e de mais baixo de um ser. Vamos mostrar o nosso verdadeiro ser, pro mundo, que não nos conhecem, só conhecem tudo o que e de mais baixo calão de uma sociedade que não nos representam, somente representam os seus próprios interesses e a eles os seus ganhos são mais importantes do que uma nação inteira, esta nação aos tais não tem nenhum interesse, pois os interesses dos tais são direcionados pros mesmo e pros seus. Aliando se ao lado escuro, sendo que os mesmo tem muito medo da claridade, pois no claro, no primeiro momento já se nota tudo o que lhes pertencem; atitudes más e sem nenhum respaldo ou aprovação da sociedade, os quais detêm o direito de fato. Somos o povo não mais bobo do mundo, mais sim pessoas simples trabalhadoras e que acreditamos em tudo, e somos vitimas faceias nas mãos dos mau caratês, pessoas de índole péssima, as quais vieram corridas das américas, Europa Ásia ou Oriente Médio. Os excluídos destes continentes, aos quais recebemos e o pagamento que nos dão, são somente o que os mesmos tem, como não tem nada, não podem nos dar nada. Mais já e chegada a hora de fazer o que deveríamos ter feito a muitos anos atrás. Coloca-los em seus lugar. Os quais lhes pertencem. As prisões, sendo que os desonestos, já tem como sua morada, vão e voltam, mas sempre à frequentam, Árabes, Italianos, Americanos, Russos, Franceses, Portugueses, e por ai vai. Precisamos mostrar pro mundo, que no Brasil, se produz coisas boas e honradas, e não somente o que não tem valor nenhum. O mundo não nos conhecem, sendo que não vivem aqui, apenas são informados, pela mídia sem compromisso e comprometimento, que fala pelo nariz, não se importando com a veracidade dos faltos, fazem apenas o que o sistema lhes determina, e como um corruptor e os corrompidos, são como mãos e luvas, sempre se encaixam. À nos povo brasileiro, devemos defender o nosso lar, estes que praticam todos os tipos de males, nem brasileiros são, e se são, já se perderam a tempos, pensam que são europeus, asiáticos ou americanos, sendo que lá, deixam o que e nosso, subtraindo todos os nossos bens e riquezas, transferindo os para paraísos fiscais e países que já não precisam, e deixando nosso lar desprotegido, sem nada, só não pedimos pros nossos vizinhos, sendo os mesmos nos pedem, e o nosso lar, mesmo desprotegido luta contra tudo e todos, mais os verdadeiros defensores, as vezes nos traem, usando filas erradas, sendo eles os filhinhos sem loucos, os quais enfrentam filas, para pagar gasolina de dez reais, tomate de doze reais ou um botijão de gás treze quilos de cento e trinta e cinco reais. Mais graças a Deus, existem filhos bravos, guerreiros e lutadores, os quais sofrem com o sistema que lhes aplicam golpes, os mais variados, mas continuam à dar mais um passo, sendo esta passo, vitorioso e gratificante, sendo que sempre vem à doce vitória, e ela vem e sempre vem, não importa? se a mesma dure um mês, um anos, ou dois, mas ela sempre vem, e respiramos, porem os filhos loucos, sempre nos aprontam, se vendendo por uma xicara de café, uma dose de pinga, uma camiseta, ou mesmo cinquenta reais, já são bem pouco os filhos loucos, porem ainda temos alguns deles, mais estamos chegando muito próximo da vitória total, o Brasil merece. Vem sofrendo a muitas décadas, e merece o reconhecimento do mundo, sendo que dele, já foi e tirado tudo o que lhes pertence, onde são distribuídos pro mundo inteiro, sendo que tudo o que e subtraído de forma irregular e ilícita, não lhes e devolvida, pois o mesmo compro o que e seu pro um preço alto, e somente os ante brasileiros e todo o mundo ganha, menos o verdadeiro dono e detentor do direito, sendo que lhe e tirado a força, sem nenhuma forma de respeito ou autorização pelo detentor de fato da riqueza. Oh Brasil, brasileiro, como são ingratos contigo, não somente os teus filhos, mais o mundo inteiro, que sempre te subtraiu tudo o que possui. Quanto será chegado este fim, em breve meu Brasil brasileiro, num prazo muito curto, tudo o que lhes pertence, será devolvido, pelo o mundo. Sendo que tudo e teu, você e o verdadeiro dono, que sempre foi ingratamente tratado pelo mundo, que usou o que e teu, sem pedir ou pagar, pelo que sempre te pertenceu e te pertence. Os brasileiros de fatos já começaram a te honrar Brasil, brasileiro, o primeiro passo já foi dado, em seguida vem o segundo passo, dai em diante, será somente vitória, a vitória que tu merece, já há muitos dias, te alegra, para de sangrar e chorar, a tua vitória chegou, que vem logo.