Todos os seres humanos, vivem de sonhos, é preciso, alimenta-los.

Onde esta Max, onde esta Lola, para onde Pietra vai. À vida como uma luz de um pequeno e antigo candeeiro, onde o seu querosene esta por quase no final, e vemos esta luz, do pequeno e velho candeeiro, quase se apagando, tentamos entender, esta lógica, que e a razão do inicio, meio e fim, não suportamos esta ultima parte, e a que mais nos distancia do racional. Como seguir este velho e pequeno candeeiro, o qual o querosene, esta por finalizar, e ao apagar deste velho e pequeno candeeiro, como segui lo, em uma noite de grande nebulosidade, à quem recorrer, sendo que estão todos debaixo do mesmo julgo. E ninguém e dono de nada aqui neste sistema, o qual todos, tem prazo para finalizar, suas atividades. Como seguir e qual direção seguir após o ultimo migalho de luz do pequeno e velho candeeiro, sendo que somos fracos e impotentes para as adversidades desta vida, aqui neste sistema impuro e cruel. Onde localizar este elo, o qual ficou parado em algum lugar desta trajetória, sendo que não há como retroceder, ou buscar uma ligação com o ontem, porque não se e dono de nada. Ao buscar as resposta para este feixe de luz, onde se inicia em um determinado grau e a cada dia, neste sistema, tende a diminui la, sendo impossível reativar com as forças de ontem, ao começar esta caminhada, como, não causar os mesmos descuido, de ontem. A busca do ser humano, por causas as quais não se podem alcança las, nos entristecem, mais a ordem e esta, e a nós, somente devemos segui las, à nós sempre será impostas, as regras, à nós, sempre será permitida, apenas. Dar prosseguimento. À nós simples mortais, não e dado este direito, temos que seguir a fila, não podemos parar. Porque conforme o andamento da fila, nos e impedido, de parar, precisamos continuar, muitas vezes nos faltam, forças, incentivos, palavras de conforte ou esperança, mais como não nos e permitido, parar, precisamos dar sempre, mais um passo, no sentido do extinto, muitas vezes rumo ao nada, sem direção, seguindo por seguir, conforme o andamento desta grande fila, que nunca para. “já dizia certa frase de uma musica, eu não posso parar, porque não tenho este direito”, andando sempre procurando este tal, porto seguro, o qual nunca encontramos, chegando; até, em nossa mente, imaginar, que o tal, não existe, são criações, de certos intelectuais, de um passado distante, somente para nos incentivar, a tal procura. Como a corrida do ouro. Ao qual muitos encontravam, o tal metal, mas com uma analise mais técnica, se verificava, que o tal metal. “era ouro de tolo”, a busca continuava, dia após dia, mês após mês, sendo que o tal metal, o qual tinha a origem e o quilate, próprio, jamais era encontrado. E a fila seguia, por muitos dias. A nos simples mortais, só nos resta! Olhar para a tal fila, que nunca para, então um dia, alguém olhará para a mesma, como nós olhamos hoje. E quando isto acontecer, então saberemos, que não fazemos mais parte desta grande fila, que nunca para, são acrescentados ou tirados dela, alguns indivíduos. Que serão substituídos por outros, e assim ela prossegue, como uma competição, onde o perdedor sai, e o ganhador entra, e amanha, este que foi ganhador hoje, será substituído por outro ganhador, e a tal fila, nunca para! Porque ela nunca tem em seu corpo, os mesmo elementos, sempre em um determinado período, são substituídos. E assim a fila segue, a vida segue, para alguns, outros não, sendo que ficam pela caminho, no decurso do percurso, e assim tudo se transforma, onde nesta transformação, são colocados elementos novos, e tirados elementos, novos de media idade ou mesmo de idade avançada, a tal fila não tem preferência ou paixão, por quem esta nesta grande fila, se analisarmos por este ângulo, ou lado, como queiram, a vantagem desta grande fila, e que ela, por não ter preferência por idade, cor, sexo, raça, etnia, clero, ela faz um nivelamento, de todo o ser, não colocando, ou separando uns dos outros, como fazem os homens na terra, que fazem esta separação, levando em consideração, ou usando métodos de avaliação e separação, baseados, no poder do tal. Que quando tem o sopro de vida, esta no topo da pirâmide, sendo tirando o sopro, e substituído por outro no topo desta mesma pirâmide. Assim sendo, à todos nós, que estamos nesta grande fila, independentemente, de classificação, vamos dar mais um passo. “não podemos desistir, porque, não temos este direito”. E a fila segue… (“Alimente, um cachorro, por três dias, ele será grato, por trinta anos. Alimente um homem, por trinta anos, ele lhe esquecerá em três dias”). Que ser racional, ainda assim prefiro os seres irracionais, são mais confiáveis e sempre poderemos contar, com eles.

Estou aqui pra aprender, Não para julgar!

São na sua totalidade os que julgam, uma grande parcela da humanidade parece que recebeu uma ordem de alguém para julgar, sendo que apontam erros a todo o instante. Sendo que são passivos de erros todos os seres humanos, nenhum ser esta acima do outro, todos estão numa mesma classificação, como proceder sendo que o errado julga o errado. Apontar erros e fácil, difícil e não comete lós, sendo que errar e humano. Este procedimento e uma ordem, que imposta a todos os seres humanos, todos estão debaixo do mesmo julgo. Porque um querer ser superior ao outro. Quando o sopro de vida sai deste corpo, todos que tem prazo de vencimento, precisa em um curto período de tempo ser colocado numa urna e a terra para a ser o seu cobertor. Este ser não existe mais como cidadão civil, ele passa a morar em um outro lugar, não tendo direito de mudança, não terá mais gostos e desgostos. Então porque esta irracionalidade deste ser, quanto ao seu semelhante, que esta debaixo da mesma lei. Como proceder para que estes seres vivam em armonia paz e mansidão, se respeitando uns aos outros. Qual passo seguir qual lei procurar, o que devera ser feito para que isto aconteça, sendo que todos os homens são maus, egoístas, avarentos, gananciosos, sem caráter, ambiciosos, e principalmente, desumanos, o que deveria dar exemplos aos outros animais, que são irracionais, são exatamente o racionais. Engraçado, que inversão de valores, o que pensa, perde em sua totalidade para o que não pensa. Quanta maldade deste ser. Que deveria ser uma elo nas boas ações da vida, protegendo os mais desprezados. Mais acontece exatamente o contrario, o cachorro não abandona o seu amigo, esse tal de homem. Porem o homem despreza e desrespeita o cachorro. Um animal que não pensa praticando o verdadeiro amor. Um animal pensante praticando o desamor. Precisamos aprender muito com os animais irracionais, eles nos ajudarão a chegar num denominador comum, um divisor de aguas. Onde os verdadeiros valores, perdidos pelos seres humanos, talvez! Num futuro a médio prazo, possam ser resgatados, em parte, ou em sua totalidade. Quem viver? Verá! À nós, simples mortais, ficamos a mercê da falta de tudo do ser humano, talvez um dia! Quem sabe? Resta uma luz no final do túnel, e que jamais, perdamos este túnel de vista, sendo que com esta perda, se tornaria irreversível, tal ato! Acreditamos em um elo de ligação do bem contra o mal, sendo que inicio era ato normal, precisamos rever valores, conduta, legalidade, a partir deste ponto, talvez encontremos, o caminho de volta, sendo que desta forma, viveríamos em união, paz, amor, mansidão, respeito, partindo do pressuposto que todos os animais, em seu habitat, se uniriam, em uma grande onde, de ajuda, no individual e no coletivo, de todas as espécies, que passam por este sistema. Vamos aguardar! Este revés, em sentido do correto e do puro.

Os sistemas de governo, contra o povo!

Helicóptero, cavalaria montada, policias militares e civil, amarelinhos, pás carregadeiras, caminhões, tratores, SAMU, Aguas Cuiabá, Energisa, todo este aparato, contra meia dúzias de descamisados e descalços, Sendo eles; Velhos, Mulheres e Crianças, que só querem ter direito a um pedaço de chão, “Um lugar ao sol”, coisa que o estado de direito, não lhes deu, nem dá. “E fácil pisar na formiga, difícil mesmo e enfrentar o elefante”. Destruindo sonhos mesmos que pequenos ou insignificantes para muitos, porém para estes pequeninos são sonhos de uma vida inteira. Este e o sistema opressor, que faz a exclusão social de grupos e classes. O descaso o desrespeito, a pressão contra os excluídos de um sistema covarde e opressor, que não protege os seus cidadãos mais necessitados, onde o menos protegido, são tratados como marginais, desordeiros, bandidos; os que estão à mercê do estado, onde este estado não os conhece, nem os vê. Um estado, através de seus segmentos, que, ao não fazer a sua parte, que e, dar direitos mínimos aos cidadãos, os tira, jogando-os à margem da marginalidade, sendo que estes buscam seus direitos, com as armas que tem, talvez de uma forma arcaica e ultrapassada, sendo que cada um luta com o que tem. Se o estado vem com todo o seu poderio bélico, para massacrar, intimidar, destruir, os desprotegidos e sem condição de nada. Sendo que foram abandonados por este mesmo sistema, que em sua totalidade e burguês e podre, protegendo os grandes e poderosos, deixando a sua grande totalidade desprotegida, desarmada, em todos os segmentos, deste estado burguês e opressor. Onde o que e certo, torna-se errado, e, o que e errado, tornando da forma que este estado burguês e opressor, quer. Sendo assim desta forma, deste de antes dos primórdios da humanidade, onde os opressores, coronéis, ditadores, e o próprio estado, sempre fez o seu belo papel. Pisar no mais fracos, e se acovardar para os mais fortes. Sendo que os poderosos dizem ao estado, o que eles querem, restando a este estado, apenas fazer o cumprimento. Não tendo nenhum interesse, pelos mais fracos, proletários, pobres, desprotegidos, e os que não tem condição de nada. Este estado desumano, age com toda a sua força, contra os menos favorecidos, tirando dos pobres e que não tem condição de nada, transferindo para quem não precisa; dinheiro, poder, terras, e as melhores condições para os que não precisam, e que tem condição de tudo. E chegada a hora de uma grande reflexão: “qual o interesse deste estado de direito, a quem ele serve, e para que ele serve” um estado que oprime e sempre desrespeitou, os que realmente precisam e que não tem ninguém por eles, somente forças contrarias, sendo elas, o burguês, o estado e todo o sistema, que deveria barrar, estas forças arcaicas e ultrapassadas, que não mudaram nos últimos cem anos, e não nos da esperança nenhuma nos próximos cem anos. O que fazer, a quem recorrer, como buscar uma solução, para o que não tem solução, enquanto reinar o homem mau. E sem amor, que apenas faz muitos sofrerem, e que uma minoria se alegra, com o sofrimento de muitos. Onde recorrer e a quem buscar uma saída, para esta atual conjuntura, que ora se instalou, neste sistema, ao qual não buscam soluções no coletivo, é sempre no individual, transferindo tudo o que e melhor para um seleto e pequeno grupo burguês, e que este pequeno grupo seleto tem a aprovação do estado burguês e opressor, que não protege os seus na sua totalidade, burlando leis, e não respeitando a carta magna deste país. Onde os escritos não são respeitados ou substituídos conforme os interesses de poderosos que tem o poder da caneta que mata e não ajuda, à quem e o interessado de fato, e muito pior os mais desprotegidos, e, que não tem ninguém por eles. Onde grupos se unem sem a aprovação de quem e detentor do direito de fato, e não tem o poder da caneta, que ora fora transferido, para um outro ser, ao qual enganou à muitos dos que não tem o poder da caneta, e, a usa contrariamente, contra o seu próprio detentor do direito de fato.