Um dia! Talvez.

Quando pensamos no futuro e em tudo o que poderá vir por ai, nós ficamos preocupados, sendo que o futuro e incerto e sem nenhuma garantia que chegaremos lá, as noticiais atuais de catástrofes e de todos os gritos da natureza e de alguns. O que podemos dizer e que os navegantes, vão ter muita turbulência no decurso do percurso, porque não sabemos de onde viemos e nem pra onde vamos. Existe uma grande quantidade de perspectivas e caminhos, porém pela fraqueza humana e sua pequenez, sempre tomamos o caminho errado. E só nos damos conta, quando já estamos numa posição, em que ao pensarmos em pegar o próximo retorno, ele sempre está na contramão de nossa direção, e conforme avançamos ao olhar pelo retrovisor da vida. Vemos a rotatória cada vez mais distante. Porem existe sempre uma luz no final do túnel. Mas quando estamos paralelamente, a grande surpresa. Sempre aparece uma pedra no caminho, e voltamos a posição inicial e já bem distante do nosso porto seguro. Não nos resta nada, a não ser. Seguir em frente, e tentar errar menos, sendo que com os anos de experiência e com alguns cabelos brancos. Levando em consideração os passos em menor escala. Pensamos, Paramos, Refletimos e só após todos estes pontos. Agimos. O tempo neste caso e o nosso maior aliado. Trazendo a experiência de vida e a base de informações coletadas durante os anos. Mas ainda não estamos isentos ou imunes de cometermos os erros da vida. Afinal somos humanos. E apesar de toda a estrada percorrida. Após cada queda, nos colocamos de pé. Isto e a lei da sobrevivência pela qual todos os dias acordamos, lutamos e retornamos. Nem sempre vencemos, apesar de estarmos sempre lutando. Este e o ciclo da vida, que não para. Segue. Este ciclo se renova a cada manhã, sendo que há um renovo e um equilíbrio fazendo como um nível de uma balança, que zera, não acrescentando ou tirando do que lhe e habitual. Este renovo, nos traz uma força grande que ao pensarmos em desistir, e como se fosse cobrado a nossa participação neste ciclo de vida. Por assim dizer. E assim tomamos as rédeas, todas as manhas e nos encaminhamos a dar mais um passo. Pequeno e Grande. Não importa. O importante e que seja um passo, talvez rumo ao desconhecido, não sabemos. Mas estamos indo pra algum lugar. O tempo trará as respostas. Sendo que o tempo tem respostas pra todas as perguntas, que lhes são feitas. Um dia talvez. O amor reine entre todos os homens. Só assim seremos livres, de todos os males deste atual sistema.

Anúncios

Concentração

A liberdade, os direitos, os deveres, a dignidade, as conquistas. Tudo se desfazendo, como areia entre os dedos. A ilegalidade tomando conta sem responsabilidade, aliado aos demais delinquentes, dando suporte e apoio aos atos ilegais que desabona ainda mais a ilegalidade. Conforme as conversas à meia noite? Com toda a equipe de poderes e seus comandados. Formando uma rede de proteção entre todos os aliados para destruição da base do país. Todos os delinquentes, são formados na mesma escola, sendo esta, formando pessoas sem puder e sem caráter, onde a mentira reina em todas as esferas, como uma teia, onde todos se seguram, protegendo aos quais fazem parte desta escola. Com uma preocupação em escala mínima, com o Estado, suas leis, seus deveres para com todos os cidadãos. A preocupação máxima dos tais, está enquadrada, no individual e coletivo da escola, aos quais pertencem. Dando pouca importância ou total desprezo, “As vozes que vêm das ruas”. Sendo que estes, são os verdadeiros donos do poder. Os quais delegaram os seus poderes, para pessoas que fizeram da mesma uma arma. Vitimando à todos os donos do poder, os quais foram traídos, com várias punhaladas, pelas costa! Os donos do poder, precisam delegar novas pessoas, as quais não foram contaminadas com os alunos da escola, sem pudor e caráter. Sendo que desta forma num futuro próximo, os que foram delegados, farão bom uso do poder. Para o bem do país e seus cidadãos. Respeitando à Constituição, Leis, Poderes e principalmente todos os cidadãos, independentemente de raça, religião, gênero e cor. TRAZENDO; ORDEM E PROGRESSO, PARA ESTA GRANDE NAÇÃO, QUE NÃO SERÁ MAIS GOVERNADA POR IRRESPONSÁVEIS.

Nova Era do Gelo.

As mudanças são sempre necessárias. As atualizações sempre nos trarão incertezas e medo do desconhecido. Temos fobia as mudanças, o novo nos incomoda nos leva a uma regressão rumo ao certo e incerteza de um futuro incerto. O desconhecido nos apavora, por não saber o futuro e não estarmos preparados para um presente sem respeito, nos seguramos no passado em que conhecemos. Uma simples troca de placas na rua ou via pública, nos incomodam leva-nos a reflexões e medos, sendo que sabemos que o homem e mau. “Como disse um Filosofo certa vez; Terra de cego, quem tem um olho e Rei”, Isto no leva ao seguinte fato: Quem tem o poder e a informação, sempre será o fator determinante e com o poder da caneta que sempre trará os benefícios em seu favor dos seus. A classe proletária, sempre ficará de carona no veiculo, com rumo determinado por outrem, e que é pior. A ver navios! que passarão cada vez mais longe e serão inalcançáveis em um futuro próximo. Quem dita as regras sempre será fator de imposição, da determinação de outrem, nos teremos a possibilidade de acertos e erros, porém à probabilidade de uma simples equação, onde o resultado sendo pra mais, ou pra menos, os ajustes necessários em prol de um interesses individual ou coletivo, serão equacionados no determinantes dos poderes da burguesia, que impõe seus dotes e benefícios individuais e coletivos. A ordem dos fatores não implicarão no resultado final desta equação, que irá rumo ao futuro desconhecido. Ao qual o poder exercido implicará de uma forma à qual não terão um controle de ordem programada. Onde quem detém o controle, não estará no controle da situação, independentemente de valores por menores de interesses direcionados pela burguesia, que delimitara totalmente em um minúsculo espaço toda a classe proletária, visando somente seus deleites e dos seus. Onde para uma classe não haverá início, meio e fim. Mas somente FIM. Conflitos internos e externos, nos trazem aprendizados e atualizações, porém o conhecimento que e limitado para a classe proletária, acontecendo inversamente pra classe burguesa, Quando os valores saem do mesmo cofre. Os valores de ordem cultural, social e política, trazem uma delimitação pra ambas as classes, sendo uma formação dentro da classe, uma superior e outra inferior. Como competir, sendo que o filho do proletário e do burgues não tem as mesma condições e armas, que lhes são garantidos em um documento, em que as regras, são à igualdade, direitos e a liberdade. Isto nos coloca em vários paradigmas, em que as mudanças são de ordem lenta e gradual, acrescentando de degrau em degrau, não pra ambas as classes. Em contrapartida uma classe viaja na velocidade da internet. Isto causa conflitos, aos quais nos insere em mais uma era glacial, rumo ao futuro incerto e desconhecido. Como uma prisão, que nos cerca e delimita todo o nosso espaço físico, intelectual e cultural, em todos os campos e meios. Trazendo um medo de ordem crescente, à qual em muitos casos nos escraviza, sendo em toda ação, que com certeza corresponderá a uma reação, em busca da liberdade, valores, dignidade, respeito, ordem, decência, tentando quebrar todas as correntes que foram impostas por classes que sempre visaram seus interesses pessoais e coletivos e dos seus. Esquecendo-se dos outros e dos direitos. O homem foi imposto à uma forma de escravidão e subserviência, imposta não pelo estado, mais pelo próprio homem. Sendo que outros de ordem menos maus, buscam paralelamente e individualmente uma solução ou uma forma de equação igualitária mais humana para à maioria dos seres humanos, vivendo numa terra rumo ao incerto. Os seres humanos, com suas incertezas, conflitos e medos, rumo a um sistema, onde são sobrepostos todos os dias, mais normas e menos direitos. Cabe a todos nós estarmos prontos, treinados e preparados. Para o novo, em um mundo novo e atual, com os males do passado, que não serão equacionados, muito menos atualizados. FELIZ RUMO AO DESCONHECIDO.

Um grande lago.

Manso, existem inúmeros exemplos no Brasil. Onde em nome do progresso, da política da boa vizinhança, ou por apadrinhamento da burguesia, muitas gerações são esquecidas ou aniquiladas, extintas na sua maioria. Deixando de existir parcialmente ou em sua totalidade. Histórias esquecidas ou substituídas por órgãos que a serviço do sistema, omitem as verdadeiras informações. Dando lugar a uma estória, contada por quem, muitas vezes nunca esteve impregnado no local, dando outra versão a verdade. Que traz os males como beneficio do próprio sistema, que com mão de ferro, muda o inicio. Para fazer o final que lhes apraz e sustenta as versões contadas por atores contratados, em função de uma estória mentirosa e incoerente. Da qual faz parte todo o sistema, que manipula e influencia os menos esclarecidos. Que sem fazer parte da historia real de uma comunidade, que teve o verdadeiro domínio com sua historia, seu passado, sua existência. Torna-se como névoa, nas mãos de grupos capitalistas, com alianças com o Estado, que com sua proteção falha. Faz com que a verdadeira história, os acontecimentos de época, sejam substituídos por atos desconstruídos e construídos de formas ilícitas e que são transformadas em atos desrespeitosos aos verdadeiros donos da razão, lesando quem realmente são os detentores do direito. Tornando o real, por o surreal, ou inexistente, como se a verdadeira historia de uma aldeia, pudesse ser substituída por outra, conforme os desejos de alguns burgueses, que se julgando os donos da razão ou donos do poder. Podendo fazer de cada historia, o fim que melhor se encaixe as suas pretensões, não observando um histórico de passado, presente e que nunca haverá futuro. Pois foi substituído por atos, como uma peça de teatro. Que o roteiro pode sofrer alterações conforme o diretor da peça. Não se importando, com a verdadeira historia do escritor. Que terá sua obra, mudada conforme o gosto de cada diretor. Que impondo suas mãos sobre a obra pura, acrescenta adendos, de sua autoria, tornando o que e puro e real. Em uma mentira, a qual será contada por muitos. E somente os que conhecem a historia com todas as suas informações, sabem onde foram acrescentadas as mudanças, que não condizem à realidade. A história real de um povo, com sonhos que foram transformados em pesadelos. Historias de alegria, substituídas por choros. Laços de sangue, separados e distanciados, por ordem de um Estado opressor e desumano, quando teria que proteger seus filhos, dando lhes condições mínimas de sustento na forma da lei, onde seus filhos teriam condições de realizar sonhos, aos quais foram tirados de suas mãos, como a poeira que o vento leva de norte a sul. Sem uma parada certa. Deixando a, em local incerto, e quando acredita que e a hora de estacionar e dar uma nova direção a vida. Vem de novo o vento e leva a, para outro local. E desta forma vive uma vida de recomeço, o fim vem com a morte? Sendo que os que permaneceram com vida, precisam dar mais um passo, sem saber onde tudo isto vai parar, virando desta forma um circulo vicioso, que desestabiliza tudo, é quando para, pensa em recomeçar. Parecendo, que jamais terá fim. Andando como a poeira, de um lado para outro, involuntário à nossa vontade, seguindo sem rumo, sem saber para onde e nem quando tudo isto vai parar. Com medo de tantos recomeços, fragmentos os quais tentamos reconstruí los, à cada parada, sem saber como junta los, e o que e pior, com as fobias do passado, os pensamentos nos consomem no sentido de que ao junta los novamente, como montaremos este quebra cabeça, “o começo nós lembramos, mais onde e o meio, qual será o fim, este fim nos dilacera, o que esta fragmentado e talvez jamais sejam reconstruidos com os fragmentos que sobraram”. Vidas, histórias, vivências, amores, choros, sonhos, brigas, e uma infinidade de outras coisas, as quais, nos recusamos a lembra-las, sendo que a todos nós, existe apenas uma pequena luz. A de uma justiça lenta, subserviente a burguesia, e que não protegem a quem são detentores do direito de fato. A nós simples mortais, nos resta, apenas sonhar com um mundo, onde um ser que tem a sua pequena propriedade com sua esposa e filhos, sejam respeitados, pelo sistema, pelo burguês, este e o nosso sonho. Um mundo onde os grandes respeitem os pequenos. Que o homem se satisfaça com o que possui, sem precisar subtrair o seu semelhante, tirando o sustento de quem tem apenas alguns pés de mandioca e uma vaquinha, muitas vezes o burguês não tem tal necessidade, faz isto apenas para satisfazer o seu ego. Pois não precisa, faz isto para delimitar o seu território, aumentando o seu domínio, sem dar a devida atenção ao local, o território, a história e principalmente a vida. Sendo que ela continua, buscando os seus meios de sobrevivência, pois precisa seguir de uma forma ou de outra. Ouvi uma frase certa vez, que e uma paisagem da vida. “O homem briga por terra, coisa que não se justifica, pois no final das contas, tudo morre e a terra fica”. Autor desconhecido.

Direitos e Deveres

O preço nem sempre queremos pagar, sendo que muitas vezes não temos culpa nenhuma ou total ou parcial, mais alguém sempre terá que pagar, e o que paga muitas vezes não e o principal devedor, pois alguém terá o beneficio ou privilegio do ganho. “a vida e injusta para uns e justa para outros”. Como esclarecer tal feito, ou sorte, sendo que dois indivíduos, terão peso positivo e negativo. Sendo que os dois vieram da mesma descendência, tiveram origem inicial juntas, e não separadas, e como se um tivesse vindo da esquerda e outro da direita. Mais não? Os dois vieram da mesma linhagem. Teriam que ter os mesmo requisitos. Um caso a parte! Como explicar então. Dois trabalhadores, que um trabalha quase cinquenta por cento do seu tempo para ter um merecido repouso. Que na realidade não o tem. E outro diz que trabalha pouco mais de três ou quatro anos e ao terminar desta grande batalha, vai pro seu merecido descanso, com seu salario integral mais os devidos benefícios. Como explicar tal disparidade, ou melhor dizendo: descaso, falta de respeito, falta de ética, falta de puder. E por ai vai… cabe a nos simples mortais. Um questionamento. “qual formula, qual coeficiente, onde encontrar esta tal formula do amor! Já dizia um grupo musical. O que esperar de pessoas desonestas, que direcionam todos os benefícios em seu favor e dos seus. Como equacionar tal problema? Onde o povo deve encontrar esta tão sonhada solução. “quem poderá salva-los” como encontrar a ponte de ligação com a ética e a moral de uma espécie, terá por acaso salvação para os que delimitaram uma linha onde uns são merecedores de toda honra e gloria. E outros não! “aqui e em toda a existência da espécie humana, só existe um que e digno de toda honra e toda a gloria. Que e Deus”. Como chegar a um denominador comum, em que se instaure a ondem e a decência, qual a esperança desta brava gente brasileira, o que fazer com os três poderes, sendo que os tais estão contra o povo que detém o verdadeiro poder. A solução e a retomada da bastilha, somente desta forma se re estabelece o direito a quem lhe pertence, e se pode recomeçar de onde perdeu-se o elo de ligação, com a ordem e o progresso. E desta forma se retira de cena tudo o que não pertence ao quadro. Sendo que com o restabelecimento da ordem pelos os verdadeiros donos de direito, se aniquila o que não faz parte do cenário. E toda a juventude deste grande e belo país, poderá voltar a ter sonhos novamente. Tomando as rédeas e comandando com braço de ferro. Para que os males do passado, não retorne, sendo que ao retorno do caos que ora existia, poderá ser asfixiado imediatamente, não dando chance de retorno ao estado de desordem generalizada que havia após o militarismo. Que foi implantado, pelos donos do caos. Sendo que os tais, tentam se desvencilhar de seus próprios males, os quais eles mesmo causaram, lesando à nação e seus concidadãos, os quais tornaram-se refém de um sistema corrupto e degradável, onde trouxe todas as misérias e danos para os que menos culpas tem, tornando-se vitimas de outem, que usando de todas as artimanhas e maldades, sendo que isto lhe são naturais. Causou o fragmento de um sistema solido e respeitável, que ora existia. A solução e o aniquilamento de toda a espécie de homens, os quais estão em sua forma bruta e não lapidada, estes com certeza sempre trarão problemas para os verdadeiros donos do poder. E HORA DE TRABALHAR.

O Poder que corrompe!

Já ouviram esta frase, “quer conhecer o verdadeiro caráter de um homem; de lhe poder! Muitos fracos, já se perderam, muitos fortes, também se perderam. O homem não foi preparado para ter poder. Sendo que o mesmo e mau. Sempre ira usar o poder para controlar, escravizar, delimitar, se endeusar, querer ser Deus. O mesmo que não tem nenhuma bondade no coração, vai impor aos demais que lhes sirva e que todos lhe ofereçam prêmios e gratidão por tudo o que o mesmo não fez. “O homem e mau, já dizia certo filosofo” desta forma o mau, buscará o que lhe e habitual, a maldade. Sendo que corpos iguais se atraem e os diferentes se repelem. A luz tem sua hora, como as trevas (noite), também tem sua hora, os dois se encontram somente na hora de entregar sua jornada . não lhe e próprio acrescentar ou tirar nada da jornada do outro. Cada um tem direito de fazer modificações somente em sua jornada, não lhe e autorizado fazer qualquer modificação na jornada ao qual não lhe pertence. Então, se o Criador de todas as coisas, impôs limites aos quais precisam ser seguidos, sabendo ele do ontem, hoje e amanhã, ele próprio não deu tal poder ao homem de escravizar outro homem, sendo que os dois nasceram livres, para seguirem suas jornadas, todos livres para seguir, não sendo autorizado pelo dono de tudo. A acepção ou subserviência de uns para com os outros. O limite de uns para com os outros, era somente o respeito mutuo e o amor, de uns para com os outros. Todos criados para servir, não para serem servidos. Portando o poder foi imposto pelo homem mau. Que aproveitando da humildade de seu semelhante, que mantendo as características iniciais do amor e respeito. Usou como arma em seu favor. Sendo ele mau, e roubando a inocência de seu semelhante e irmão. O homem bom, foi vitima da maldade de seu semelhante, que sendo mau usou de táticas que lhes são próprias, para uso de sua maldade e que veio com suas raízes, sendo introduzidas nas folhas futuras de sua espécie, que continuou a escalada da maldade desde os primórdios da humanidade até o seu fim. O homem bom continuou o seu trajeto rumo ao futuro certo. Sendo que o homem mau, terá seu final na colheita. Pois a todo plantio, em seu final vira a colheita. E uma ordem do Criador. Que impôs tal regra, à ser seguida. Não sendo modificada nem pelo homem bom, ou mau. Na atualidade, o homem mau, tem sido o centro de todas as atenções do mundo. Aumentando em sua totalidade o seu plantio. O que lhe será imposta uma colheita, sem precedentes. Ao tal, e aos seus. Como e tolo o homem mau. Ajuntando quantidades as quais não tem domínio e não pode carrega-las, indo ele para onde vai. Não fez nada, em toda a sua trajetória, aqui neste sistema. O mesmo em sua tolice, olha pro futuro, que nem sabe se vai alcançar e sonha com o mesmo, se esquecendo do presente, onde poderia fazer todas as modificações para sua própria colheita no futuro, se chegar! O homem bom, seu trajeto de grão em grão, olha pro presente, preparando-se para uma colheita no futuro, com certeza de um futuro próximo que devera chegar, sem as ambições e maldades do homem mau, que vai em seu trajeto em uma velocidade acima da media, rumo ao desconhecido. Que chegara em breve, com toda a certeza, mas sem saber o que lhe espera, sendo que o feito do passado, precisar ser reembolsado à quem e de direito, para as devidas prestações de contas. Que não há como fugir, sendo que não terá mais domínio nenhum sobre si mesmo. Estará a mercê de outras entidades, as quais querem o que lhes e de direito, quanto aos atos praticados em toda a trajetória do homem mau. Que não terá como recorrer, sendo que suas petições, não poderão mais ser ouvidas, e o seu veredito final, terá chegado, e somente após a consumação de todos os seus atos praticados, e que lhes será imposta a condenação, onde nenhum juiz poderá mudar o veredito. E haverá muito choro e arrependimento, por parte do homem mau. E terá chegado o fim, do qual não terá proveito nenhum. Onde as lágrimas, cairão de dia e de noite. E nunca mais terá fim, onde o próprio não terá nenhum domínio sobre si ou atos, que lhes são impostos, por uma jornada. Sem fim.

O Outro

Em muitas ocasiões queremos tomar o lugar do outro. Sendo que não sabemos os verdadeiros problemas, derrotas ou vitórias do outro. Cada dia um problema diferente, mas acreditamos que somente nós; temos problemas? que à vida do outro e um verdadeiro; “mar de rosas”. Quando nos esquecemos que todos os seres humanos, tem problemas, alguns conseguem administrá-los, outros diminui-los e os demais aumenta-los. Tornando os em uma grande bola de neve. Sábios são os que conseguem em um mundo tão conturbado e problemático. Estarem indo rumo ao norte. Pois somente os que conseguem dar um passo à cada dia, serão o vencedor! O homem se tornou desde os primórdios da humanidade, o ser devorador de sua própria espécie, não por sobrevivência, mais sim por status, adoração, endeusamento e reconhecimento, querendo ser o melhor, o primeiro, mas se tornou durante todo o período da raça humana, sozinho e isolado dos demais seres, com medo dos males praticados à muitos. O homem sabe o local, sua área de atuação e domínio, mas não o quer. Ele quer o que pertence ao outro. Um verdadeiro desagregador, mau, onde o que lhe interessa e somente o que não lhe pertence. Não se importando com normas e procedimentos, quando tem! Ou quando não tinha. O que lhe interessa e o desejo de ser o único, o mais importante ou, o que vai ser endeusado. Ou os que lhe renderão culto de adoração por se achar que está acima dos demais, que está um degrau acima dos outros. Uma problemática desde os primórdios da humanidade, onde o homem caçava o próprio homem. Por domínio de território e alimentação. Sendo que ao que atacava e dominava, os demais lhes teria como sendo o seu troféu de conquista sobre tudo e todos. Onde seu único objetivo com o território dominado, era que os dominados estariam sobre o seu domínio, eram sua propriedade particular, onde ele fazia com todos, o que bem desejasse ou julgasse melhor ao seu ego. Muitos ditadores desde o princípio até os dias atuais, somente fazem os atos aos quais foram aculturados através de seus antepassados, e que colocam em prática na atualidade, conforme à sua maldade interior e a influência sofrida no princípio, aos quais fazem automaticamente seus atos de forma automática e programada com uma forte imposição da aculturação, como legado não de seus contemporâneos, mas de um passado distante, embasada na maldade humana, em todo o ser. “Os fins não justificam os meios” sendo que o desagregador, tem como princípio o individualismo, juntamente com a concentração de renda e poder, sobre os demais. O homem, sendo seu próprio devorador, espalhando o que deveria ajuntar. Trazendo discórdia e inimizades, por um único motivo. “A ganância”. Sendo que no seu habitat tem lugar para todos, porém o desagregador, não se satisfaz desta forma. Ele tem que espalhar, e ajuntar somente pra ele. Deixando os demais sem o seu próprio sustento diário. Desta forma se faz escravos? O outro, perde tudo o que tem, inclusive: dignidade, respeito, seus próprios deveres, pois o agredido torna-se um ferido e sem amor. Tudo causado pelo desagregador, que lhe dizimou até os seus sonhos. Trazendo as mazelas da humanidade para todos os meios do convívio coletivo. Sendo que o individualismo começa a tomar forma em todos os meios da sociedade contemporânea e atual, dando mais ênfase ao individualismo do que ao coletivo. O importante e ter, e não ser. Desta forma volta-se ao princípio das guerras por tudo. Inclusive por espaço e alimento. O homem só vai aprender a respeitar o outro. Quando aprender a amar. O homem tem o suficiente, o outro tem um pouco, mais o homem só se satisfaz com o pouco do outro. Sendo que não tem necessidade do pouco do outro. Mas para satisfazer a sua maldade e a medida do ter. O homem subtrai o outro. Tirando lhe o pouco que tem, causando lhe um mal sem precedentes, inclusive a própria morte do outro. Que sem nada e sem condições de adquirir o pouco, não consegue sobreviver e morre. Quantas gerações não ficaram com o outro. E o homem mau seguindo sua trilha de destruição. ATÉ QUANDO!

Contramão,

Século vinte e um, tudo pelo social, responsabilidade social, politicamente correto, sem exclusão, sem acepção, pela fim do desmatamento, pelo fim da fome, pelo resolução dos problemas sociais em todas as esferas globais. São todos belos e projetados discursos em todo o sistema global. Como eu queria ter a inocência primeira sem as maldades que me foram impostas nestes cinquenta e três anos de existência. Em tudo o que o homem põe a mão, será dizimado no início ou no final, suas ações, suas pretensões, suas palavras. Vem de encontro ao seu ser, que em muitos casos estão em um estado não evolutivo, e de barbárie. Hoje com a velocidade das informações na mídia escrita, falada ou visual, tudo vêm se contradizendo à todas as ações humanas na terra. Que esta totalmente em fase final de processamento, ou com os seus dias contados e sem a esperança  necessária no aguardo do que poderia vir em um futuro bem próximo, sendo que não temos mais nenhum tempo para uma espera de prazo alongado. Como eu desejaria voltar ao estado inicial de inocência, sendo que tudo o que vêm pra nos enriquecer culturalmente, já vêm com um prazo de validade vencido. E sendo assim nos tornamos reféns de um sistema de cultura e informação, que a cada segundo do dia, se torna obsoleto. As atualizações acontecem com uma velocidade e frequência muito acima das quais somos alimentados. A vazão inicial e menor que a vazão final, sendo estático o processamento e absorção, quanto as ações humanas em todos os segmentos sociais do planeta. Hoje acontecem em todos os grupos defensores de seus direitos, a exclusão, não existe uma regra clara, objetiva, séria, conforme o respeito que e assegurado a todos os cidadãos que compõem a sociedade atual, não à primitiva em que todos estavam lutando contra todos, mas sim uma sociedade que deveria ser culta e respeitada pelos seus valores, etnias, crenças, e por ai vai… “que hora o povo deverá acordar”. Antes ou depois do fim de todo o sistema global. Os direitos que são constituídos e delegados, não são respeitados e muito menos cumpridos em sua totalidade, se assim fosse, não teríamos tantas discrepância nos tribunais, aos quais são impostas regras, ordens, leis, as quais são canalizadas para os interesses de minorias as quais detém os benefícios e favorecimentos. Enquanto estivermos com este legado desatualizado, arcaico e ultrapassado, andaremos todos nós na contramão e sem rumo ao desconhecido, ao qual não saberemos onde vamos ancorar. “Que saudade da inocência inicial e estado de pureza do ser humano”.